Ceará adere a programa de redução de processos de execuções fiscais

O Governo do Estado anunciou hoje, a adesão ao 'Programa Nacional de Governança Diferenciada das Execuções Fiscais'. O programa prevê a realização de mutirões do judiciário, com o objetivo permitir que cidadãos e empresas regularizem sua situação fiscal, negociando as dívidas, além de ajudar a justiça a reduzir o número de processos acumulados  e a recuperação de créditos públicos para o Estado

Desembargadora Iracema do Vale, Presidente do TJ,Governador do Ceará, Camilo Santana e Ministra Nancy Andrighi, Corregedora Nacional de Justiça
Desembargadora Iracema do Vale, Presidente do TJ,Governador do Ceará, Camilo Santana e Ministra Nancy Andrighi, Corregedora Nacional de Justiça (Foto: Fatima 247)

O governador Camilo Santana anunciou, nesta segunda-feira (9), a adesão do Ceará ao 'Programa Nacional de Governança Diferenciada das Execuções Fiscais'. Os detalhes da parceria foram acertados com a ministra do Superior Tribunal de Justiça e corregedora Nacional de Justiça, Nancy Andrighi, em reunião no Tribunal de Justiça do Estado do Ceará e terá o prazo máximo de 45 dias para o lançamento. Pela manhã, o governador e a ministra já haviam se reunido no Palácio da Abolição.

“É importante que a população saiba que o Estado, em parceria com o Tribunal de Justiça, implementará esse programa no Ceará. Com isso, sairão ganhando o cidadão, a empresa, a Justiça e o Estado, porque vai permitir que recuperaremos créditos, além de possibilitar a certidão negativa para os cidadãos que estão impossibilitados. Estamos preparando uma lei e enviaremos para a Assembleia pedindo autorização para o programa”, informou Camilo Santana.

A ministra Nancy Andrighi, corregedora Nacional de Justiça, disse que o objetivo é beneficiar todos que participarem do programa. “O executivo tem o direito de receber os seus impostos, o cidadão cumpre seu lado de civismo pagando seus impostos e o judiciário também é beneficiado com a diminuição das ações. Para tanto, nós oferecemos algumas vantagens para o cidadão e para as pessoas jurídicas que forem participar do programa”, afirmou.

Participaram ainda do encontro, a desembargadora Iracema do Vale (presidente do TJ), Juvêncio Vasconcelos (procurador-geral do Ceará) e Mauro Filho (secretário da Fazenda), além de representantes do Judiciário.

Sobre o programa
O programa avança em três frentes: o cidadão e empresas, com a oportunidade de saldar dívidas, regularizando sua situação fiscal; o Judiciário, que encontra hoje na execução fiscal um de seus maiores gargalos, com a redução dos processos, e o Estado, com a recuperação do crédito público.

Os mutirões possibilitam que dívidas fiscais, relativas a qualquer tributo, sejam negociadas e possam ser pagas em postos bancários disponibilizados no mesmo local. O contribuinte participante pode sair da conciliação com sua certidão negativa de débito em mãos.

 

Com informações da Coordenadoria de Imprensa do Governo do Estado

 

 

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247