Centrais chamam trabalhador para greve contra terceirização

A convocação foi feita na audiência pública da Comissão do Trabalho, da Previdência e da Ação Social da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG); Além de sindicalistas e parlamentares, participaram da reunião integrantes de outras entidades que lidam com a questão trabalhista no Estado. Solicitada pelo deputado Rogério Correia (PT), a audiência foi acompanhada por dezenas de trabalhadores no Plenarinho IV e no Salão de Chá da Assembleia.

Padre Jo�o (deputado federal � PT/MG), 
David Eliude Silva (vice-presidente da Nova Central Sindical de Trabalhadores),
Rog�rio Correia (deputado estadual PT/MG),
Geisa Teixeira (deputada estadual PT/MG),
Pedro Paulo de Abreu Pinheiro (diretor do Sint
Padre Jo�o (deputado federal � PT/MG), David Eliude Silva (vice-presidente da Nova Central Sindical de Trabalhadores), Rog�rio Correia (deputado estadual PT/MG), Geisa Teixeira (deputada estadual PT/MG), Pedro Paulo de Abreu Pinheiro (diretor do Sint (Foto: Luis Mauro Queiroz)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

ALMG - Representantes de várias centrais sindicais do Estado, conclamaram, nesta segunda-feira (11/5/15), os trabalhadores para a greve geral contra a terceirização, no dia 29 de maio. A convocação foi feita na audiência pública da Comissão do Trabalho, da Previdência e da Ação Social da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

Além de sindicalistas e parlamentares, participaram da reunião integrantes de outras entidades que lidam com a questão trabalhista no Estado. Solicitada pelo deputado Rogério Correia (PT), a audiência foi acompanhada por dezenas de trabalhadores no Plenarinho IV e no Salão de Chá da Assembleia.

Na avaliação de Pedro Paulo de Abreu Pinheiro, coordenador do Movimento Mundo do Trabalho contra a Precarização, o projeto da terceirização é um roubo aos direitos dos trabalhadores. “Temos que ir para as ruas, pois não podemos andar na contramão da história. No dia 29 de maio, vamos parar o Brasil contra esse roubo que está acontecendo no nosso País”, exaltou-se. Foi ainda divulgada a realização de ato público contra a terceirização, no dia 25 de maio, às 10 horas, em frente ao Ministério do Trabalho (Centro da Capital).

Conforme opinou Gilberto Gomes, da Central Sindical Popular (CSP-Conlutas), a terceirização, nos moldes em que é realizada no País atualmente, já provoca muitos danos aos trabalhadores. “Cerca de 80% dos acidentes fatais ocorrem em empresas terceirizadas”, ressaltou. Ainda assim, ele reconhece que, pelo menos, pelas regras trabalhistas vigentes, o terceirizado pode buscar reparação de danos na justiça. Caso o novo projeto passe no Congresso, avalia, nem essa reparação legal poderá ser obtida. “Só a pressão popular pode paralisar esse projeto. Só com uma greve geral, com a mobilização nacional dos trabalhadores, conseguiremos isso”!

De forma semelhante, David Eliude Silva, vice-presidente da Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST-MG), declarou que o projeto federal coloca nas costas do trabalhador a sede de lucro do empresariado. “Cada trabalhador tem que reforçar sua capacidade de se indignar. É hora de ouvir, analisar e reagir. Luiz Cláudio Araújo, secretário jurídico da União Geral dos Trabalhadores de Minas Gerais (UGT-MG), mostrou a postura da entidade: “Somos totalmente contrários ao projeto de terceirização e a favor da greve geral do dia 29".

Representando a Força Sindical, que em nível nacional se posicionou favoravelmente à aprovação do PL 4.330/04 (transformado em PLC 30/15 no Senado), Carlos Cassiano disse que a entidade em Minas Gerais está contra o projeto. “Essa proposta representa a volta à escravidão do trabalhador”, reforçou. Ele analisou alguns artigos do texto, mostrando que eles são perdas para o trabalhador, apesar de haver propaganda em horário nobre afirmando o contrário. “O artigo que trata da responsabilidade solidária entre a empresa principal e a terceirizada já deixa de fora o 13º salário, adicionais, horas extras e outros. Que corresponsabilidade é essa?”, questionou.

José Antônio de Rezende, da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB-MG), refletiu que está em curso no País uma grande onda conservadora e que só a mobilização social pode barrá-la. “Dia 29 é a 'prova dos nove'. Temos que colocar muitos trabalhadores nas ruas e a nossa unidade é fundamental”, ponderou.

De acordo com Beatriz Cerqueira, presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT-MG), se o projeto da terceirização for aprovado, quem primeiro vai sofrer os impactos é a juventude. “Os jovens vão receber um salário menor, enfrentarão maior rotatividade e terão mais possibilidades de se acidentar”, problematizou.

Avaliando a conjuntura atual, ela advoga que, com o atual Congresso, extremamente conservador, fica difícil votar pautas de interesse dos trabalhadores. “Por isso, temos que discutir a reforma política; senão, continuaremos a fazer as mesmas lutas”, disse Beatriz, defendendo incluir parcelas maiores da população no debate e também os senadores mineiros.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247