Chuvas em Sergipe não serão capazes de reduzir efeitos da seca

Meteorologista Overland Amaral explica que o índice de chuvas entre os meses de maio e junho, período considerado chuvoso, será abaixo da média esperada, diante da irregularidade climatológica desse ano marcada pela pior seca dos últimos 50 anos; “para regularizar o déficit hídrico no Estado seria necessário acumulado de chuva de 1500 milímetros. Como não chove no período esperado, a preocupação com a seca continua”, alerta; nesta quarta e quinta-feira, choverá mais do que nos outros dias

Chuvas em Sergipe não serão capazes de reduzir efeitos da seca
Chuvas em Sergipe não serão capazes de reduzir efeitos da seca
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sergipe 247 - A chuva que chegou a Sergipe desde o último final de semana não será suficiente para dirimir os efeitos da longa estiagem que assola o Estado. Enquanto na capital, o índice de preciptação pluviométrica chega aos 60 milímetros (mm), no Agreste, este número reduz à metade (30 mm) e no Alto Sertão é pouco superior a 10% do que chove em Aracaju (5 a 10 mm).A informação é do Centro de Meteorologia da Secretaria de Estado do Meio Ambiente dos Recursos Hídricos (Semarh).

De acordo com o meteorologista Overland Amaral, há fortes possibilidades das chuvas que estacionaram no Estado terem maior índice de concentração nessa quarta e quinta-feira, 24 e 25. Para esses dois dias é esperado o dobro de precipitação das últimas 24 horas. Na capital, isso significa até 120 milímetros.

As chuvas irão ocorrer até o início do mês de maio (no máximo, até o dia 12), de variado índice de precipitação e até possibilidade de ventos fortes de até 30 km por hora. Segundo Overland, as chuvas estão sendo motivadas por um sistema de escoamento de frente fria vinda do Sul e Sudeste, ladeado com a Costa Leste do Estado da Bahia, chegando até Sergipe.

O meteorologista explica que o índice de chuvas entre os meses de maio e junho, período considerado chuvoso, será abaixo da média esperada, diante da irregularidade climatológica desse ano marcada pela pior seca dos últimos 50 anos. “Para regularizar o déficit hídrico no Estado seria necessário acumulado de chuva de 1500 milímetros. Como não chove no período esperado, a preocupação com a seca continua”, alerta.

Com informações da Semarh

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247