Ciro Gomes: “Culpa da atual situação não é do PT”

Em palestra na noite desta terça-feira (14) em São Paulo, o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) disse que a culpa da atual situação brasileira não é do PT e que está à disposição para contribuir com a defesa da presidente eleita Dilma Rousseff, que “é honesta e herdou governo mestiço”. Pré-candidato à Presidência em 2018, o ex-governador do Ceará falou ainda sobre sua proposta de reforma política e afirmou que tem a oferecer ao País “36 anos de história, sem inquérito nenhum”

Em palestra na noite desta terça-feira (14) em São Paulo, o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) disse que a culpa da atual situação brasileira não é do PT e que está à disposição para contribuir com a defesa da presidente eleita Dilma Rousseff, que “é honesta e herdou governo mestiço”. Pré-candidato à Presidência em 2018, o ex-governador do Ceará falou ainda sobre sua proposta de reforma política e afirmou que tem a oferecer ao País “36 anos de história, sem inquérito nenhum”
Em palestra na noite desta terça-feira (14) em São Paulo, o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) disse que a culpa da atual situação brasileira não é do PT e que está à disposição para contribuir com a defesa da presidente eleita Dilma Rousseff, que “é honesta e herdou governo mestiço”. Pré-candidato à Presidência em 2018, o ex-governador do Ceará falou ainda sobre sua proposta de reforma política e afirmou que tem a oferecer ao País “36 anos de história, sem inquérito nenhum” (Foto: Rodrigo Rocha)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Ceará247 - A culpa da atual situação brasileira não é do PT, avaliou o ex-ministro Ciro Gomes (PDT-CE), em palestra na Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP), na noite desta terça-feira (14). "Culpa é um conceito católico extremamente retrógrado. Não é o PT o problema do Brasil. Aliás, a minha raiva é uma paixão magoada. Minha coisa é com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e não com o PT. Não atribuo culpa a ninguém e o PT, no fim, é o lado bom da história. O problema é que o PT falhou, fracassou, e expôs todo o pensamento progressista a um retrocesso”, disse, de acordo com informações do Estadão.

Ele avaliou, no entanto, o quadro do partido como despreparado, citando nomes como Antonio Palocci e José Dirceu. "Palocci, por exemplo, foi fazer besteira. Dirceu, meu amigo, não podia fazer o que fez. Não é culpa. É que nós, do nosso lado, não podemos fazer isso", disse, analisando ainda o encontro recente entre Lula e Renan Calheiros como um erro.

Sobre a presidente afastada Dilma Rousseff, Ciro disse estar à disposição de sua defesa, e acredita que ela está caindo pela “desconstituição pelo povo e pelos seus discursos moralistas”. "Não é por pedalada. Ela é honesta e herdou governo mestiço", disse. "Me afastei deles, porque eu sempre disse 'não vai dar certo, vai dar merda’”. 

Pré-candidato pelo PDT para 2018, Ciro afirmou não saber o que traria de novo para o Brasil caso fosse eleito, mas destacou sua trajetória política até agora e disse que a decisão está nas mãos do povo. “Não sei. O eleitor que tem que me julgar. O que eu tenho que apresentar é 36 anos de história, sem inquérito nenhum, não usufruí das franquias do poder, nem utilizei essas imoralidades de tríplex e não tenho conta na Suíça. Eu tenho uma vida, não sou mais uma proposta", disse.

No entanto, o ex-governador do Ceará defendeu um projeto nacional de desenvolvimento com começo, meio e fim, que não seja “a qualquer custo”, acentuado em poupança doméstica, com novo modelo de construção estratégica planejada e emancipação do agronegócio. "Não vamos inventar outro País", disse.

Ciro sugeriu ainda, como proposta de reforma política, a estatização de campanhas e financiamento público, além do recall, que é convocar a população para saber se o chefe do executivo permanece ou não no cargo, que valeria quatro mandatos para frente.

(Com informações do Estadão)

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247