Ciro sobre o Ibope: 'não digo nem que é má-fé', mas 'é bom ter um pé atrás'

O presidenciável Ciro Gomes (PDT) afirmou que a última pesquisa Ibope - que aponta um súbito crescimento nas intenções de voto do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), difere dos levantamentos internos da sua campanha; “Não digo nem que é má-fé. Num país em que se vende e compra até deputado é bom que  a gente tenha um pé atrás e desconfie que talvez o instituto também possa ser vulnerável a alguma distorção”, disse

Ciro sobre o Ibope: 'não digo nem que é má-fé', mas 'é bom ter um pé atrás'
Ciro sobre o Ibope: 'não digo nem que é má-fé', mas 'é bom ter um pé atrás' (Foto: Reprodução/Facebook)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Minas 247 – Em Belo Horizonte para conceder entrevista na Rádio Itatiaia, o candidato a presidente Ciro Gomes (PDT) afirmou nesta terça-feira (2), sobre a última pesquisa divulgada pelo Ibope - que mostrou crescimento de Bolsonaro e estagnação de Haddad e de outras candidaturas – que os levantamentos internos da própria campanha são completamente diferentes e as pesquisas podem errar.

“Não digo nem que é má-fé. Num país em que se vende e compra até deputado é bom que  a gente tenha um pé atrás e desconfie que talvez o instituto de pesquisa também possa ser vulnerável a alguma distorção”, disse à jornalista Juliana Cipriani, do Estado de Minas.

Para o pedetista, Minas pode “salvar o Brasil do precipício da radicalização”. Ele disse ainda que a polarização está impondo ao brasileiro a escolha entre um “extremismo militarista radicalizado” e uma organização que “prestou bons serviços mas passou a abusar do poder”. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247