Citado em delação, Mendonça diz que Lava Jato ainda vai “chacoalhar” o Brasil

Ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM), disse que o Brasil irá passar por muitas mudanças políticas e econômicas até as próximas eleições presidenciais, em 2018, e que "o país vai ser chacoalhado nos próximos meses" em função da Operação Lava Jato; ele próprio já foi citado pelo delator Ricardo pessoa, da empreiteira UTC, como sendo beneficiário de propina paga pela construtora, além de aparecer na lista de delação da Camargo Corrêa

Brasília- DF 16-06-2016 Presidente interino, Michel Temer e o ministro da educação, Mendonça filho anunciando prorrogação do FIES. Foto Lula Marques/Agência PT
Brasília- DF 16-06-2016 Presidente interino, Michel Temer e o ministro da educação, Mendonça filho anunciando prorrogação do FIES. Foto Lula Marques/Agência PT (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Pernambuco 247 - O ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM), disse que o Brasil irá passar por muitas mudanças políticas e econômicas até as próximas eleições presidenciais, em 2018.

"A gente viveu uma crise terrível nos últimos três anos e esta praticamente saindo do fundo do poço", disse Mendonça em entrevista à Rádio Jornal. Ele também disse que "o Brasil vai ser chacoalhado nos próximos meses" em função da Operação Lava Jato.

O próprio ministro já foi citado pelo delator Ricardo pessoa, da empreiteira UTC, como sendo beneficiário de propina paga pela construtora, além de aparecer na lista de delação da Camargo Corrêa.

Mendonça, que tem o seu nome cotado para disputar as próximas eleições ao governo de Pernambuco, destacou que os partidos não devem ter pressa em definir o cenário eleitoral. "Eu não tenho nenhuma pressa e acho que o partido também não deve ter e ninguém deve ter", disse. "Quem tiver pressa vai ser atropelado", completou.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247