COI avalia medidas contra Nuzman após prisão

Comitê Olímpico Internacional (COI) afirmou que sua comissão de ética pode tomar medidas provisórias contra o presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB), Carlos Arthur Nuzman, preso nesta quinta-feira (5) como parte de investigação sobre suspeita de compra de votos em eleição olímpica; "Dado os novos fatos, a Comissão de Ética do COI pode considerar medidas provisórias, embora respeitando o direito do sr. Nuzman de ser ouvido", afirmou o COI

Presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB), Carlos Arthur Nuzman, no Palácio do Planalto, em Brasília 11/07/2014 REUTERS/Ueslei Marcelino
Presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB), Carlos Arthur Nuzman, no Palácio do Planalto, em Brasília 11/07/2014 REUTERS/Ueslei Marcelino (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - O Comitê Olímpico Internacional (COI) afirmou que sua comissão de ética pode tomar medidas provisórias contra o presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB), Carlos Arthur Nuzman, que foi preso nesta quinta-feira como parte de investigação sobre suspeita de compra de votos em eleição olímpica.

"Dado os novos fatos, a Comissão de Ética do COI pode considerar medidas provisórias, embora respeitando o direito do sr. Nuzman de ser ouvido", afirmou o COI em comunicado sobre Nuzman, que é membro honorário da entidade.

Nuzman é acusado de ter sido o "agente responsável" por viabilizar repasse de propina do grupo criminoso do ex-governador Sérgio Cabral para a compra de votos de dirigentes africanos na eleição de 2009 do COI para escolha do Rio de Janeiro como sede dos Jogos de 2016.

Reportagem de Karolos Grohmann

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247