Como aproveitar os juros

Planejador financeiro mostra as melhores opções para você ganhar mais dinheiro

Planejador financeiro mostra as melhores opções para você ganhar mais dinheiro
Planejador financeiro mostra as melhores opções para você ganhar mais dinheiro (Foto: Camila Nunes)

(Texto de Eduardo Cubas Pereira, planejador financeiro pessoal com certificação CFP® (Certified Financial Planner), concedida pelo Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiros. Eduardo é assessor de investimentos na Manchester Investimentos)

Do Infomoney - Nos últimos meses, um dos pontos que mais divide opiniões dos analistas e estudiosos do mercado tem sido o direcionamento das taxas de juros. Porém, essa divergência vale principalmente para o curto prazo. As incertezas que rondam o tema focam principalmente nos próximos 12 a 18 meses. Se olharmos a evolução de períodos anuais, percebe-se que as taxas de juros brasileiras vêm caindo consistentemente na medida em que nosso país deixa para trás as dificuldades do período pré-plano real.

Existe também outra herança do período pré-plano real. Devido à incerteza acerca da nossa economia antes dessa época, os investidores brasileiros eram educados para aplicações focadas em curto prazo. Desta forma, em caso de grandes mudanças, o investidor poderia agir. Atualmente, houve a manutenção do foco em curto a prazo, onde alta liquidez faz com que o investidor perca rentabilidade.

A falta de planejamento é o principal vilão que faz com que o brasileiro não atinja a tão sonhada "independência financeira". Um planejamento eficiente inclui, entre diversos outros aspectos:

a) Renda desejada na aposentadoria,

b) Ajuste do valor dessa renda para a inflação entre a data atual e a data de aposentadoria desejada

c) Valor do patrimônio atual mais o acúmulo de capital necessário para que se atinja esse patamar

d) Rentabilidade necessária nos investimentos para que se atinja esse patamar.

A aplicação conservadora permite que o investidor tenha atualmente rentabilidades de até 6% acima da inflação. Se compararmos esta rentabilidade com economias desenvolvidas, perceberemos que ela é muito acima da média mundial.

Portanto, para investidores em período de acumulação, existe a oportunidade de encurtar o período de aposentadoria projetado, caso haja a possibilidade de aplicar um capital focado em longo prazo (acima de 3 anos).

Já para investidores aposentados, pode-se melhorar a rentabilidade do portfólio. Isto resulta em uma aposentadoria com padrão de vida superior.

Exemplo: Considere um aposentado que tem uma demanda de R$ 12.000 mensais, e que deseje manter este padrão de vida ao longo dos anos. Caso ele utilize a média mundial de aprox. 4% ao ano de rentabilidade média acima da inflação, precisará de R$ 3.000.000. Este era a situação real do Brasil cerca de 12 meses atrás para a situação descrita acima.

Com a alta recente nas taxas de juros, o mesmo investidor consegue manter este padrão de vida com R$ 2.000.000. O capital de R$ 3.000.000 melhoraria sua renda para R$ 18.000 mensais.

Um dos investimentos que merece destaque atualmente é o Título Público atrelado à inflação (NTN-B). Este título é um empréstimo que o investidor faz para o Tesouro Nacional. Portanto, é a aplicação mais segura do país com relação à risco de crédito. O investidor deve focar em longo prazo, de pelo menos 5 anos, e pode conseguir rentabilidades superiores a 5,5% ao ano mais inflação.

Outra alternativa bastante atrativa são as debêntures incentivadas. A debênture é um empréstimo para uma empresa. Quando a empresa ou o projeto para o qual ela está captando dinheiro são ligados o setor de infraestrutura, elas são isentas de imposto de renda para investidores pessoa física. Neste caso, o investidor deve buscar empresas sólidas, visto que em caso de falência o capital pode ser comprometido. De qualquer forma, existem alternativas com risco muito próximo ao dos Títulos Públicos. Porém, as debêntures incentivadas têm a vantagem fiscal que melhora sua rentabilidade. Nestes casos, é possível chegar a 5,5 a 6% acima da inflação líquido.

Já investidores que efetivamente pretendem focar em prazos mais curtos podem aproveitar o alto patamar de juros para manter rentabilidades atrativas sem correr grandes riscos. Aplicações como a LCI e a LCA (Letras de Crédito Imobiliárias e do Agronegócio) também são isentas de imposto de renda para pessoa física e têm rentabilidades de até 11% ao ano, dependendo do prazo.

Considerando que a inflação atual brasileira encontra-se entre 6% e 6,5%, investimentos de prazo menor que 2 anos nessas taxas também podem ser considerados interessantes. É importante notar que as LCI e LCA normalmente não possuem liquidez diária. O investidor escolhe uma das alternativas de vencimento, que costumam ser entre 1 e 24 meses, e até lá não deve resgatar o capital.

É importante avaliar as necessidades de aposentadoria, liquidez e também de tolerância a risco de cada investidor antes de efetuar aplicações financeiras.

As informações neste artigo são apenas informações e exemplos que podem facilitar a tomada de decisão. Porém, para criar um planejamento financeiro mais completo e buscar decisões de investimento apropriadas, sugiro procurar um Planejador Financeiro profissional.

O texto reflete as opiniões do autor. O Infomoney não se responsabiliza pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso destas informações.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247