Conseg vai investigar policiais da Seds

O Conselho Estadual de Segurança (Conseg) vai investigar se há excesso de policiais na Delegacia Geral de Polícia Civil e no Quartel Geral da Polícia Militar; uma comissão foi formada para realizar inspeções nos departamentos administrativos; a suspeita é que existem muitos policias trabalhando na área burocrática

O Conselho Estadual de Segurança (Conseg) vai investigar se há excesso de policiais na Delegacia Geral de Polícia Civil e no Quartel Geral da Polícia Militar; uma comissão foi formada para realizar inspeções nos departamentos administrativos; a suspeita é que existem muitos policias trabalhando na área burocrática
O Conselho Estadual de Segurança (Conseg) vai investigar se há excesso de policiais na Delegacia Geral de Polícia Civil e no Quartel Geral da Polícia Militar; uma comissão foi formada para realizar inspeções nos departamentos administrativos; a suspeita é que existem muitos policias trabalhando na área burocrática (Foto: Voney Malta)

Alagoas247 - O Conselho Estadual de Segurança (Conseg) montou uma comissão para investigar possível excesso de policiais na Delegacia Geral de Polícia Civil, situada em Jacarecica, e no Quartel Geral da Polícia Militar (PM), no Centro. A decisão foi tomada em sessão ordinária do conselho, na manhã desta segunda-feira (2), no Palácio República dos Palmares.

A comissão é formada pelos conselheiros coronéis Mário da Hora e Adriano Amaral e o advogado Marcondes Costa, que devem começar os trabalhos em breve, com inspeções realizadas nos departamentos administrativos. O objetivo é verificar o quantitativo de agentes e militares que atuam diariamente ou em regime de plantão nos órgãos ligados à Defesa Social.

"A meu ver, há alguns excessos, mas pode ser impressão minha; por isso, precisamos avaliar se existe, mesmo, grande contingente de policiais. Semana passada, solicitei ao quartel a relação dos policiais e a lista é extensa; se for constatado excesso, os servidores serão remanejados para as ruas", disse o presidente do colegiado, juiz Maurício Brêda, acrescentando que a comissão fará um estudo a fim de saber a real necessidade dos policiais. Brêda também disse que a Delegacia Geral possui muitas diretorias, mas é preciso avaliar quem fez e o que realmente é necessário.

O advogado Marcondes Costa frisou que os agentes e militares recém-empossados serão colocados no serviço operacional, onde há maior carência.

Adepol

O advogado Antônio Carlos Gouveia, integrante do Conseg, rebateu à declaração dada pelo delegado Antônio Carlos Lessa em entrevista à Gazeta de Alagoas, na semana passada. O então presidente da Associação dos Delegados de Polícia Civil (Adepol) disse que o Conselho de Segurança precisa "sair do birô", o que gerou insatisfação no conselheiro.

O advogado disse que Lessa estava equivocado e sua declaração descabida, visto que o colegiado já fez várias inspeções em delegacias e elaborou um relatório. "Há um equívoco do delegado porque fazer mais do que já estamos fazendo não é possível. Várias visitas foram feitas, com a elaboração de um relatório ao final", rebateu.

O conselheiro foi apoiado pelo promotor Alfredo Gaspar de Mendonça. Ele comentou que a declaração foi política e não merece nem ser repercutida, pois o Conseg conhece a realidade e mostra preocupação. As declarações de Antônio Carlos Lessa vieram à tona após Maurício Brêda cobrar a meta de produtividade de inquéritos por parte dos delegados.

Com gazetaweb.com

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247