Conselho aprova aumento da passagem de ônibus

O Conselho Municipal de Transporte aprovou, por maioria dos votos, a proposta dos empresários de reajustar a tarifa de ônibus para R$ 3,20; justificativa é o aumento de insumos e atos de vandalismo, além de, segundo representantes  do setor, queda no número de passageiros diários no transporte público de Maceió; proposta só entra em vigor após ser sancionada pelo prefeito Rui Palmeira

O Conselho Municipal de Transporte aprovou, por maioria dos votos, a proposta dos empresários de reajustar a tarifa de ônibus para R$ 3,20; justificativa é o aumento de insumos e atos de vandalismo, além de, segundo representantes  do setor, queda no número de passageiros diários no transporte público de Maceió; proposta só entra em vigor após ser sancionada pelo prefeito Rui Palmeira
O Conselho Municipal de Transporte aprovou, por maioria dos votos, a proposta dos empresários de reajustar a tarifa de ônibus para R$ 3,20; justificativa é o aumento de insumos e atos de vandalismo, além de, segundo representantes  do setor, queda no número de passageiros diários no transporte público de Maceió; proposta só entra em vigor após ser sancionada pelo prefeito Rui Palmeira (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Alagoas 247 - Após a proposta dos empresários de reajustar o valor da passagem para R$ 3,35 ser negada pela Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT), o Conselho Municipal de Transporte decidiu, por maioria de votos, aumentar o preço da tarifa de ônibus para R$ 3,20, após discussão realizada na tarde desta quarta-feira (6). 

A proposta inicial da SMTT era a de que o preço passasse dos atuais R$ 2,75 para R$ 3,15, mas os empresários argumentaram que, com a assinatura do contrato após a licitação, eles passaram a ser responsáveis pela manutenção dos terminais de ônibus, o que aumentou, significativamente, os custos do transporte. Com isso, a contraproposta das empresas, de cobrar R$ 3,20 pela passagem, foi acatada pelo conselho e. agora, segue para sanção do prefeito Rui Palmeira (PSDB). Só depois é que o novo valor passará a vigorar. 

A audiência que discutiu o novo valor da passagem aconteceu na tarde desta quarta-feira, na sede da SMTT. De acordo com o superintendente Municipal de Transporte e Trânsito, Tácio Melo, o valor precisava ser reajustado em virtude do crescimento do custo de operacionalidade do sistema de transporte. Nos últimos meses, por exemplo, houve aumento no valor dos combustíveis e do salário dos rodoviários, além de uma queda do número de usuários de ônibus, em relação a 2014, o que acarreta em prejuízos. 

Segundo Tácio Melo, as empresas não podem falar em reajuste da tarifa neste momento e o aumento é apenas uma revisão dos custos operacionais das empresas. Isso porque, no mês de dezembro em 2015, após a licitação, os representantes assinaram o contrato que prevê que qualquer reajuste só se dará doze meses após a assinatura do edital de licitação do transporte.

Durante as discussões, os empresários falaram sobre a importância do reajuste para corrigir o prejuízo que as empresas enfrentam com o aumento dos valores dos insumos. Os dados levados pelos representantes das empresas à audiência apontam que, em 2015, houve queda no número de passageiros diários no transporte público de Maceió.

Além disso, eles também citaram os prejuízos ocasionados por atos de vandalismo em na capital, como a retirada de circulação de 8 ônibus que foram totalmente queimados na capital. Outros dois coletivos não foram destruídos, mas ficaram danificados por incêndio e outros atos de vandalismo. 

Com gazetaweb.com

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247