Cortes de Temer: Previsão de Prefeitos é de demissões e programas sociais em xeque

Os prefeitos alagoanos, através da Associação dos Municípios de Alagoas (AMA), avaliam como nebuloso o cenário para as cidades em 2018, conforme projeção do próprio governo federal; é que vários cortes estão previstos para o próximo ano; assistência social seria a área mais prejudicada, caso a proposta de redução de 97,4% no orçamento seja aprovada; por conta disso, vários prefeitos já adiantam que terão de seguir com demissões, havendo, inclusive, a possibilidade de alguns programas federais serem suspensos

Os prefeitos alagoanos, através da Associação dos Municípios de Alagoas (AMA), avaliam como nebuloso o cenário para as cidades em 2018, conforme projeção do próprio governo federal; é que vários cortes estão previstos para o próximo ano; assistência social seria a área mais prejudicada, caso a proposta de redução de 97,4% no orçamento seja aprovada; por conta disso, vários prefeitos já adiantam que terão de seguir com demissões, havendo, inclusive, a possibilidade de alguns programas federais serem suspensos
Os prefeitos alagoanos, através da Associação dos Municípios de Alagoas (AMA), avaliam como nebuloso o cenário para as cidades em 2018, conforme projeção do próprio governo federal; é que vários cortes estão previstos para o próximo ano; assistência social seria a área mais prejudicada, caso a proposta de redução de 97,4% no orçamento seja aprovada; por conta disso, vários prefeitos já adiantam que terão de seguir com demissões, havendo, inclusive, a possibilidade de alguns programas federais serem suspensos (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Alagoas 247 - Uma reunião realizada na manhã desta sexta-feira (06), na sede da Associação dos Municípios de Alagoas (AMA), em Maceió, mobilizou prefeitos de todo o estado com o objetivo de debater alternativas ao cenário considerado nebuloso para as cidades em 2018, conforme projeção do próprio governo federal. É que vários cortes estão previstos para o ano que se avizinha. A assistência social seria a área mais prejudicada, caso a proposta de redução de 97,4% no orçamento seja aprovada. 

E devido à iminência de corte, vários prefeitos já adiantam que terão de seguir com demissões até o final deste ano, havendo, inclusive, a possibilidade de alguns programas federais serem suspensos. De acordo com o presidente da AMA, Hugo Wanderley, Alagoas está passando por uma situação de calamidade e que tende a piorar devido aos cortes que o governo federal vem planejando. 

"Nós recebemos as projeções para o ano de 2018 e estamos assustados com o nível dos cortes que o governo federal pretende fazer. A área que sofrerá maior corte é a da assistência social, que terá 97,4% de redução. Além dela, a educação básica terá uma redução de 42%, enquanto o corte para a educação de ensino superior será de 32%. A Agricultura vai perder 57% em recursos, enquanto o Esporte, com 65%, corre até o risco de ser extinto. No Turismo, área que mais emprega, terá uma redução de 69%, e a Saúde, que já é deficiente, terá uma redução de 14%, com a Segurança Pública perdendo 54% do montante original. São muitos cortes em áreas que precisavam de investimento e que, agora, correm o risco de serem ainda mais precarizadas, em virtude da falta de recursos", explicou o presidente. 

Quanto à necessidade de se reduzir despesas, o presidente da associação disse que, até o final do ano, mais funcionários precisão ser demitidos - apesar da crescente demanda por serviços -, já que muitos municípios se encontram no limite da folha de pessoal. Um dos gestores que afirma já "cortar na carne" é o prefeito de Craíbas, Ediel Leite. À Gazetaweb, ele informou que muitos servidores já foram desligados e que, até o final do ano, mais 100 demissões devem ocorrer. Ainda segundo o gestor, três escolas fecharão em 2018, havendo, porém, a possibilidade deste número subir para cinco.

"O estado está passando por um momento de crise terrível, e nossa única solução é fazer cortes. Com essas demissões, conseguimos alguma melhoria. Porém, é de partir o coração quando se precisa fazer isso com alguém que necessita do trabalho para sustentar a família. Tenho recebido diversas mensagens de pessoas que foram demitidas e que choram ao telefone e que pedem alguma ajuda para não passar fome", disse Ediel, emocionado.

Já Padre Eraldo, prefeito do município de Delmiro Gouveia, no Sertão alagoano, afirma que "a única saída é buscar um canal de negociação com o governo e travar um debate pesado com a bancada federal". "O Fundo da Educação Básica (Fundeb) está quebrado. Temos um déficit de R$ 4 milhões na Educação neste final de ano. A situação é realmente de calamidade e precisamos de uma solução urgente", desabafou o prefeito. 

O prefeito de Murici, por sua vez, externou preocupação com o fato de os cortes inviabilizarem, inclusive, programas como o Bolsa Família, "que já deixou de assistir mais de três milhões de famílias alagoanas".

"Nós tivemos uma redução de 21% no repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), e é este fundo que sustenta a grande maioria das prefeituras. Todos os prefeitos estão se sentindo engessados. Na questão da merenda escolar, por exemplo, cada aluno recebe apenas R$ 0,36 por dia, o que não dá nem para comprar uma bala. Nem os próprios programas do governo estão se sustentando. Exemplo disso é que o programa Criança Feliz, criado pela primeira dama Marcela Temer, é tocado por nós prefeitos, que arcamos com praticamente tudo, pois, recebemos apenas R$ 7.500 para cuidar da saúde e alimentação dessas crianças", disse Olavo Neto. 

Concurso público

Na oportunidade, o presidente da AMA também foi indagado sobre o concurso público da Barra de São Miguel, anunciado nessa quinta-feira (5). Segundo ele, a realização do certame foi uma exigência do Tribunal de Contas do Estado de alagoas (TCE-AL), a fim de que o município passe a dispor dos cargos de controlador e contador. 

Com relação aos demais concursos públicos previstos, os prefeitos - reforça Hugo Wanderley - devem ser orientados para que avaliem os gastos diante da crise pela qual passam os municípios.

Com gazetaweb.com

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247