Costa não quer ser visto como candidato de Dirceu

Dentro do PT, o pensamento é observado como uma tentativa do governador de Pernambuco e presidente do PSB, Eduardo Campos, de ligar o nome do senador ao do principal réu do escândalo do Mensalão, justamente no período que antecede o julgamento do caso no Supremo 

Costa não quer ser visto como candidato de Dirceu
Costa não quer ser visto como candidato de Dirceu (Foto: Montagem PE247 )
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

PE247 – Bancado pelo comando nacional do PT na corrida sucessória do Recife, o senador Humberto Costa quer espantar de uma vez a pecha de candidato construído pelo ex-ministro José Dirceu. O pensamento – levado (em tom de reclamação) pelo governador de Pernambuco e presidente nacional do PSB, Eduardo Campos à presidente Dilma Rousseff (PT) – é visto, nas hostes petistas, como uma tentativa do socialista de ligar o seu nome ao do principal réu no escândalo do Mensalão, justamente no período que antecede o julgamento do caso no Supremo Tribunal Federal (STF).
Há o receio, por parte da equipe de campanha de Costa, de que um resultado desastroso para Dirceu no Supremo atinja diretamente a sua campanha, que já esbarra em resistências diversas. Resistências estas que estão arraigadas dentro do próprio PT e no seio do campo dos governistas em Pernambuco.

Para evitar embaraços prováveis no futuro, Humberto tem insistido na tecla de que ele é candidato (apenas) do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do presidente nacional do PT, Rui Falcão, e da presidente Dilma Rousseff. O senador ainda ressalta que a construção de sua candidatura se deu em meio a um dos momentos mais conturbados da história do partido e que, por isso, era necessário buscar uma solução capaz de encerrar as disputas internas, que pegaram fogo com o acirramento das prévias entre o atual prefeito, João da Costa, e ex-deputado federal Maurício Rands.

Porém, o discurso do senador esbarra justamente no antigo aliado. Rands deixou o PT, entregou o cargo que ocupava em nome do partido no Governo Eduardo Campos e renunciou ao mandato na Câmara. Tudo por acreditar que Humberto Costa conspirou, juntamente com José Dirceu, para rifar a sua candidatura e do prefeito João da Costa.

Na leitura de Maurício Rands, Dirceu não estava satisfeito com a possibilidade de ver um correligionário extremamente ligado a Eduardo Campos, seu desafeto declarado, no comando de uma das principais capitais geridas pelo PT. Nesse entendimento, os méritos acabariam sendo atribuídos ao socialista e não a força do Partido dos Trabalhadores no Recife. O prefeito João da Costa também compartilharia desse entendimento. Tanto que o gestor ainda não se posicionou se vai apoiar a tentativa do correligionário de sucedê-lo.

Esse parece um dos nós mais complicados que o senador Humberto Costa terá que desatar para chegar à Prefeitura do Recife.

 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247