CPI pedirá ao Cade informações sobre venda da Saneatins

CPI da Saneatins aprovou nessa terça-feira, 7, pedido de informações ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) sobre compra e venda das ações da EMSA e da Saneatins pela Odebrecht, principalmente no que tange ao valor da transação; em tom de ironia, deputado Vilmar de Oliveira (SD) afirmou que o Governo “vendeu o filé e ficou com o osso do serviço de saneamento"; segundo ele, Agência Tocantinense de Saneamento (ATS) contrata a própria Odebrecht para realizar os serviços nas cidades sob sua responsabilidade; “Isso precisa de explicação”

CPI da Saneatins aprovou nessa terça-feira, 7, pedido de informações ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) sobre compra e venda das ações da EMSA e da Saneatins pela Odebrecht, principalmente no que tange ao valor da transação; em tom de ironia, deputado Vilmar de Oliveira (SD) afirmou que o Governo “vendeu o filé e ficou com o osso do serviço de saneamento"; segundo ele, Agência Tocantinense de Saneamento (ATS) contrata a própria Odebrecht para realizar os serviços nas cidades sob sua responsabilidade; “Isso precisa de explicação”
CPI da Saneatins aprovou nessa terça-feira, 7, pedido de informações ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) sobre compra e venda das ações da EMSA e da Saneatins pela Odebrecht, principalmente no que tange ao valor da transação; em tom de ironia, deputado Vilmar de Oliveira (SD) afirmou que o Governo “vendeu o filé e ficou com o osso do serviço de saneamento"; segundo ele, Agência Tocantinense de Saneamento (ATS) contrata a própria Odebrecht para realizar os serviços nas cidades sob sua responsabilidade; “Isso precisa de explicação” (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Tocantins 247 - Na primeira sessão de trabalho após sua reimplantação, realizada extraordinariamente na manhã desta terça-feira, dia 7, a CPI da Saneatins aprovou diversas solicitações, dentre elas a visita ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) em Brasília.

A visita deverá ser definida posteriormente. Assim, os parlamentares aprovaram ofício que requisita informações ao Cade sobre compra e venda das ações da EMSA e da Saneatins pela Odebrecht, principalmente no que tange ao valor da transação.

Na oportunidade, a Comissão aprovou o regimento interno da CPI, utilizado na comissão de mesmo objetivo realizada no ano de 2014. Foi autorizada ainda a incorporação do acervo de documentos da CPI anterior aos autos da comissão em vigor.

Foram aprovados três requerimentos de autoria do deputado Olyntho Neto (PSDB). Um deles pede à Agência Tocantinense de Saneamento (ATS), à EMSA e à Odebrecht os documentos e processos solicitados e não enviados para a CPI anterior. Ele também solicita a forma de composição e definição das tarifas de água e esgoto no Estado.

De autoria de Olyntho, foi aprovado ainda pedido a Saneatins para que informe a ordem de implantação da nova estação de tratamento de esgoto de Araguaína, enviando também cópias das licenças ambientais e a autorização municipal para a sua instalação.

O presidente da Comissão, deputado Eduardo do Dertins (PPS), questionou como foi definida a porcentagem para a cobrança da taxa de esgoto e por que as redes de tratamento nas cidades a cargo da ATS não estão funcionando. “Queremos saber como foi estipulada a taxa de 80%, pois em algumas cidades o valor difere do de outras, e o motivo da paralisação das redes”, indagou.

Em tom de ironia, Vilmar de Oliveira (SD) afirmou que o Governo “vendeu o filé e ficou com o osso do serviço de saneamento. As grandes cidades para as empresas privadas e as pequenas para o Estado”. Disse que a ATS contrata a própria Odebrecht para realizar os serviços nas cidades sob sua responsabilidade, e cobrou: “Isso precisa de explicação”.

Para Valdemar Júnior (PSD), é preciso entender as transações como a entrada da Odebrecht e as saídas da EMSA e do Estado da parceria. (Da Assembleia)

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247