Cremal vai investigar médico que deu atestado

O Conselho Regional de Medicina de Alagoas (Cremal) vai investigar o médico que emitiu um atestado para o deputado Marquinhos Madeira (PMDB), em 2012, concedendo a ele 130 dias de afastamento para tratar um problema de saúde; com autorização do Tribunal de justiça, a polícia civil cumpriu mandado de busca e apreensão no gabinete do parlamentar 

O Conselho Regional de Medicina de Alagoas (Cremal) vai investigar o médico que emitiu um atestado para o deputado Marquinhos Madeira (PMDB), em 2012, concedendo a ele 130 dias de afastamento para tratar um problema de saúde; com autorização do Tribunal de justiça, a polícia civil cumpriu mandado de busca e apreensão no gabinete do parlamentar 
O Conselho Regional de Medicina de Alagoas (Cremal) vai investigar o médico que emitiu um atestado para o deputado Marquinhos Madeira (PMDB), em 2012, concedendo a ele 130 dias de afastamento para tratar um problema de saúde; com autorização do Tribunal de justiça, a polícia civil cumpriu mandado de busca e apreensão no gabinete do parlamentar  (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Alagoas 247 - O Conselho Regional de Medicina de Alagoas (Cremal), vai investigar o médico otorrinolaringologista que emitiu um atestado para o deputado Marquinhos Madeira (PMDB), em 2012, concedendo a ele 130 dias de afastamento para tratar um problema de saúde. Na manhã desta quarta-feira (15), a polícia civil cumpriu um mandado de busca e apreensão no gabinete do parlamentar.

De acordo com o presidente do Cremal, médico Fernando Pedrosa, será instalada uma sindicância para averiguar o fato. No documento, Marquinhos Madeira estaria sendo afastado para tratar de labirintite. No entanto, durante o período de licença, o deputado participou de um rali, na cidade de Maragogi.  

"Nós iremos solicitar da justiça uma cópia do atestado para que possamos identificar o médico. Se for constatado algum indício de falsidade no documento, o profissional poderá ser processado e sofrer algumas punições, que vão desde uma advertência até a cassação dos direitos de atuar como médico", explicou o Pedrosa.   

O presidente Fernando Pedrosa contou que nos casos específicos de atestados emitidos para deputados existe um problema grave. "Quem homologa o atestado é a mesa diretora da Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE). Isso é um absurdo. Eles são deputados e não médicos. Este tipo de documento deve ser apreciado pelo corpo médico da Assembleia", reclama.

Com gazetaweb.com

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247