Criança febril. Pais não devem se entregar à “fobia da febre”

A febre é um sintoma. É preciso controlá-la, mas eliminá-la sistematicamente é um princípio errôneo. Os medicamentos como o paracetamol não são sistemáticos.

Criança febril. Pais não devem se entregar à “fobia da febre”
Criança febril. Pais não devem se entregar à “fobia da febre”
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

 

 

 

Por Sandrine Cabut – Le Figaro

 

A febre infantil é um dos motivos mais comuns de consulta pediátrica e uma fonte de ansiedade para muitos pais. Erroneamente, de acordo com especialistas que acreditam que este sintoma – definido por uma temperatura superior a 38° - é muitas vezes tratado por medicamentos. Para lutar contra a «fobia da febre» e auxiliar os médicos a educar as famílias, a Academia americana de pediatria acaba de divulgar novas recomendações.

«Muito além de manter uma temperatura normal, o objetivo principal consiste em ajudar a criança a se sentir mais confortável », ela salienta, lembrando que a febre é uma reação fisiológica que pode ajudar a combater uma infecção. Em outras palavras, os antipiréticos não são sistematicamente necessários. Aliás, é desnecessário acordar uma criança para administrar um antipirético , de acordo com a Academia americana de pediatria. Na verdade, nenhum destes medicamentos provou ser eficaz para prevenir a principal complicação de febre em crianças menores de 5 anos, as convulsões febris.

Muitas vezes, a origem da febre é viral

«A febre é um sintoma, o que conta é entender o porquê, mas eliminá-la sistematicamente é um princípio errôneo », diz o Prof. Alain Chantepie, presidente da Sociedade Francesa de Pediatria. «Não é uma temperatura que está sendo tratada, mas uma criança. A única razão válida para baixar a febre é para seu conforto », confirma o Prof. Jean-Marc Treluyer, pediatra e farmacologista na Universidade  Paris-Descartes.

Na prática, a origem da febre é infecciosa, nove em cada dez vezes, e frequentemente viral. O aconselhamento médico é necessário quando ela permanecer inexplicada. O médico deve ser imediatamente consultado em caso de sinais que sugerem uma patologia grave (meningite, por exemplo) ou se a febre permanecer elevada, em torno de 39°, por mais 24 horas, apesar dos cuidados adequados. Os bons reflexos não consistem em cobrir a criança, mas que ela beba água frequentemente e que o ambiente esteja ventilado. «Toalhas úmidas na cabeça podem ser úteis pois promovem a perda de calor no corpo, especifica o Prof. Chantepie. Por outro lado, os banhos frescos convencionais já não são mais relevantes; eles são desagradáveis para o pequeno paciente e a eficácia não dura.»

Quanto aos medicamentos, não há limites para usá-los. Três moléculas estão disponíveis, em várias formas: paracetamol, anti-inflamatórios do tipo ibuprofeno e aspirina. Na maioria das vezes, o paracetamol é prescrito em primeiro lugar. A aspirina não é mais tão popular devido ao risco de um efeito colateral raro, mas grave, a síndrome de Reye.

«O princípio é utilizar um único medicamento. Os tratamentos alternativos não são recomendados », diz o Prof. Treluyer. Ele recomenda as apresentações com um sistema de dose/kg de peso, mais fáceis de manusear.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247