CSN irá priorizar trecho do PI na Transnordestina

O trecho da Transnordestina no Piauí será priorizado na retomada de obras da ferrovia, garantiu o presidente da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), Benjamin Steinbruch, durante reunião com o governador Wellington Dias, em São Paulo; o presidente informou que já existe R$ 1,248 bilhão destinado para a retomada das obras, aguardando apenas a liberação; a Transnordestina é a maior obra brasileira em construção e irá ligar o município piauiense de Eliseu Martins aos portos de Pecém, no Ceará, e Suape, em Pernambuco; a malha ferroviária é de 1.753 km, passando por 81 municípios em três estados diferentes

O trecho da Transnordestina no Piauí será priorizado na retomada de obras da ferrovia, garantiu o presidente da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), Benjamin Steinbruch, durante reunião com o governador Wellington Dias, em São Paulo; o presidente informou que já existe R$ 1,248 bilhão destinado para a retomada das obras, aguardando apenas a liberação; a Transnordestina é a maior obra brasileira em construção e irá ligar o município piauiense de Eliseu Martins aos portos de Pecém, no Ceará, e Suape, em Pernambuco; a malha ferroviária é de 1.753 km, passando por 81 municípios em três estados diferentes
O trecho da Transnordestina no Piauí será priorizado na retomada de obras da ferrovia, garantiu o presidente da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), Benjamin Steinbruch, durante reunião com o governador Wellington Dias, em São Paulo; o presidente informou que já existe R$ 1,248 bilhão destinado para a retomada das obras, aguardando apenas a liberação; a Transnordestina é a maior obra brasileira em construção e irá ligar o município piauiense de Eliseu Martins aos portos de Pecém, no Ceará, e Suape, em Pernambuco; a malha ferroviária é de 1.753 km, passando por 81 municípios em três estados diferentes (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Allisson Bacelar

O trecho da Transnordestina no Piauí será priorizado na retomada de obras da ferrovia, garantiu o presidente da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), Benjamin Steinbruch, durante reunião com o governador Wellington Dias, nessa quinta-feira (15), em São Paulo. O presidente informou que já existe R$ 1,248 bilhão destinado para a retomada das obras, aguardando apenas a liberação, sendo que R$ 850 milhões são do Fundo de Desenvolvimento do Nordeste (FDNE), R$ 365 milhões do Fundo de Investimentos do Nordeste (Finor) e mais R$ 33,5 milhões da empresa pública Valec Engenharia, Construções e Ferrovias S.A.

Steinbruch disse que, mediante a liberação do recurso, todos os trabalhadores serão recontratados e o trecho piauiense será priorizado. “Queremos finalizar logo as obras no território piauiense, ligando o município de Eliseu Martins ao Ceará, para garantir que a ferrovia já possa ser utilizada no escoamento da produção agrícola e de minérios. Nossa previsão é que essa parte seja concluída no primeiro semestre de 2018. Logo depois iremos focar a obra no trecho do Ceará e Pernambuco”, declarou o presidente.

Um cálculo feito pela CSN e pela Transnordestina Logística S.A. estima que sejam precisos R$ 120 milhões por mês para dar andamento à obra. Wellington se comprometeu em unir forças com o governador do Ceará, Camilo Santana, para irem ao congresso articular a liberação dos recursos. “Irei me articular com o governador do Ceará para, junto com a bancada em Brasília, conseguirmos acelerar a liberação desses recursos. Essa obra representa muito para nosso estado, tanto pelo desenvolvimento logístico quanto pela geração de emprego e renda. Irei fazer tudo que for possível para que ela volte a operar”, assegurou Dias.

A Transnordestina é a maior obra brasileira em construção e irá ligar o município piauiense de Eliseu Martins aos portos de Pecém, no Ceará, e Suape, em Pernambuco. A malha ferroviária é de 1.753 quilômetros, passando por 81 municípios em três estados diferentes. Ao longo do trajeto, terão 300 pontes e viadutos. Quando concluída, terá a capacidade de transportar 30 milhões de toneladas por ano, beneficiando cerca de 500 mil pessoas da região.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247