De Pimentel para Anastasia: a Cidade Administrativa é símbolo do desperdício

Governador Fernando Pimentel criticou a afirmação de que o governo anterior supostamente teria colocado em marcha um plano de desenvolvimento da região norte; “E agora o sujeito vem sustentar dizer que é um plano de desenvolvimento, que plano de desenvolvimento, que empresa que foi atraída para aquela região, nenhuma, aquilo ali é um símbolo do desperdício”

De Pimentel para Anastasia: a Cidade Administrativa é símbolo do desperdício
De Pimentel para Anastasia: a Cidade Administrativa é símbolo do desperdício
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Minas 247 - O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, respondeu às afirmações do pré-candidato do PSDB ao governo de Minas, Antonio Anastasia. O tucano afirmou que o atual governo fechou os olhos para a região, fechou o Palácio Tiradentes e voltou a administração para o centro de Belo Horizonte.

De acordo com Pimentel, o déficit herdado da administração do pré-candidato foi gigantesco, R$ 8 bilhões, e tem causas estruturais.

Quanto ao fechamento da sede administrativa, o chefe do executivo estadual classificou como conversa fiada a afirmação de que o governo anterior supostamente teria colocado em marcha um plano de desenvolvimento da região norte, do vetor norte.

“O que ele chama de plano de desenvolvimento [eu chamo de] especulação imobiliária, o que eles fizeram ali foi enfiar 2 bilhões de reais a preços de hoje numa obra absolutamente desnecessária, faraônica, que dá um custo absurdo de manutenção ao Estado, só de ar condicionado nós gastamos ali 10 milhões de reais por mês, é uma coisa escandalosa a cidade administrativa”, disse Pimentel.

“E agora o sujeito vem sustentar dizer que é um plano de desenvolvimento, que plano de desenvolvimento, que empresa que foi atraída para aquela região, nenhuma, aquilo ali é um símbolo do desperdício”, acrescentou.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email