Defensor da moralidade, Jungman não larga o osso

Deputado do PPS tem se posicionado na Câmara como um defensor da moralidade e um paladino da ética; nos últimos dias, pediu ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, junto com outros parlamentares da oposição, para que investigue o envolvimento de Dilma no esquema da Petrobras; detalhe: Raul Jungmann mantém dois mandatos eletivos, um de deputado federal e outro de vereador em Recife; porém, em vez de renunciar ao cargo na Câmara Municipal, apenas se licenciou do mandato de vereador; em fevereiro, ele recebeu o salário integral pela vereança, mesmo tendo deixado a Câmara no dia 14 daquele mês

Deputado do PPS tem se posicionado na Câmara como um defensor da moralidade e um paladino da ética; nos últimos dias, pediu ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, junto com outros parlamentares da oposição, para que investigue o envolvimento de Dilma no esquema da Petrobras; detalhe: Raul Jungmann mantém dois mandatos eletivos, um de deputado federal e outro de vereador em Recife; porém, em vez de renunciar ao cargo na Câmara Municipal, apenas se licenciou do mandato de vereador; em fevereiro, ele recebeu o salário integral pela vereança, mesmo tendo deixado a Câmara no dia 14 daquele mês
Deputado do PPS tem se posicionado na Câmara como um defensor da moralidade e um paladino da ética; nos últimos dias, pediu ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, junto com outros parlamentares da oposição, para que investigue o envolvimento de Dilma no esquema da Petrobras; detalhe: Raul Jungmann mantém dois mandatos eletivos, um de deputado federal e outro de vereador em Recife; porém, em vez de renunciar ao cargo na Câmara Municipal, apenas se licenciou do mandato de vereador; em fevereiro, ele recebeu o salário integral pela vereança, mesmo tendo deixado a Câmara no dia 14 daquele mês (Foto: Paulo Emílio)

Rede Brasil Atual - Na última terça-feira (31), o deputado Raul Jungmann, do PPS de Pernambuco – correligionário e conterrâneo de Roberto Freire –, juntou-se a colegas deputados do DEM e PSDB para bater na porta do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para pedir que ele reconsidere sua decisão e peça abertura de inquérito para investigar se a presidenta Dilma Rousseff estaria de alguma forma envolvida no esquema de propinas na Petrobras, no âmbito da Operação Lava Jato, da Polícia Federal. Jungmann, aliás, é o autor do pedido. Mas se a preocupação do recém empossado deputado for moralização e zelo com a coisa pública, ele deveria começar dando o exemplo.

Raul Jungmann mantém dois mandatos eletivos, um de deputado federal e outro de vereador em Recife. Há um mês e meio, ele assumiu na Câmara Federal a vaga deixada por Sebastião Oliveira (PR), também de Pernambuco e atual secretário estadual dos Transportes. Porém, em vez de renunciar ao cargo na Câmara Municipal de Recife, ele apenas se licenciou do mandato de vereador.

Em fevereiro, inclusive, Jungmann recebeu o salário integral pela vereança, mesmo tendo deixado a Câmara no dia 14 daquele mês. As informações estão no Diário Oficial e no Portal da Transparência da Câmara Municipal.

Jungmann assumiu o mandato de deputado federal oficialmente em 12 de fevereiro, passando a receber salário da Câmara. Mas entre 12 e 28 de fevereiro, ele foi um "vereador fantasma" na folha de pagamento municipal de Recife, acumulando dois salários por cargos que não podem ser exercidos ao mesmo tempo.

A atitude é incompatível com o discurso de "paladino da ética" que o deputado tenta imprimir em seu mandato. A Constituição Federal diz, em seu artigo 54, que os deputados e senadores não poderão, desde a posse, ser titulares de mais de um cargo ou mandato público eletivo.

Jungmann licenciou-se do mandato de vereador conforme Resolução 2.595/2015 da Câmara de Recife, publicada no Diário Oficial do dia 14 de fevereiro, "sem ônus para o erário municipal, por tempo indeterminado, a fim de que possa assumir a função de suplente em exercício de deputado federal, enquanto perdurar o afastamento dos titulares". Porém, o Portal da Transparência da Câmara Municipal que Jungmann foi pago usando-se o salário integral de R$ 15.031,76 como base de cálculo, igual ao dos demais vereadores que trabalharam o mês inteiro.

A assessoria de Jungmann disse ao Jornal do Commércio, de Recife, que devolverá aos cofres públicos R$ 5.366,14. "Uma guia de recolhimento foi enviada ao deputado com a informação que ele deixou a Câmara do Recife no dia 20 de fevereiro e recebeu um valor maior. O documento foi assinado pelo diretor da divisão de pessoal", diz a nota.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247