Delações bagunçam PMDB goiano e Iris volta a ser cotado para 2018

Os dois então principais nomes do partido para o governo do Estado, Maguito Vilela e Daniel Vilela, foram atingidos pelas delações da Odebrecht, esfriando as articulações de candidatura; com o cenário meio que começando tudo do zero, nome do prefeito Iris Rezende começa a ganhar força numa ala do PMDB;  grupo acredita que Iris tem recall eleitoral, capacidade de mostrar como consegue colocar em ordem Goiânia em pouco tempo e que numa disputa ao governo teria mais predicados do que os demais concorrentes; início de gestão de Iris na Capital está sendo alvo de muitas críticas devido à lentidão em resolver problemas na saúde e educação

iris
iris (Foto: José Barbacena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Diário da Manhã (Welliton Carlos) - Após as denúncias da Lava Jato, que também afetaram o PMDB goiano, as discussões referentes à sucessão para o Governo de Goiás esfriaram dentro da sigla.

As reuniões de Daniel Vilela no interior e os encontros realizados por Iris com os peemedebistas estão em banho-maria. As denúncias foram fulminantes no grupo.

Um parlamentar peemedebista afirma ao DM que a legenda avalia os estragos da operação realizada pela Polícia Federal e as revelações do Supremo Tribunal Federal (STF) nas pretensões do deputado federal Daniel Vilela, no ex-prefeito de Aparecida de Goiânia, Maguito Vilela, e na possível candidatura de Ronaldo Caiado (DEM) pelo grupo oposicionista.

A fonte peemedebista diz que a Lava Jato foi um balde de água fria nas tentativas dos Vilelas tentarem articular a candidatura de Daniel, que iniciou o ano acelerado com encontros no interior de Goiás.

O PMDB goiano começa a formar três correntes internas para avaliação. A primeira pede Iris Rezende na disputa de 2018. A segunda acredita que a legenda pode e deve se aliar ao senador Ronaldo Caiado (independente dele sair do DEM e entrar no PMDB) e outra que apoiaria Caiado apenas se ele entrasse no PMDB.

A corrente mais forte dentro do partido na atualidade é de que Iris seja candidato em 2018.

Dependerá apenas dele: o prefeito garante que a partir do segundo semestre colocará Goiânia em ordem.

Já existe uma pressão no partido para que o nome do prefeito seja incluído nas pesquisas eleitorais, que deverão ser divulgadas no final do ano.

RECALL

O grupo acredita que Iris tem recall eleitoral, capacidade de mostrar como consegue colocar em ordem a cidade em pouco tempo e que numa disputa ao governo teria mais predicados do que os demais concorrentes, apesar dos desgastes inerentes ao tempo de estrada.

“Em termos de saúde, Iris teria condições de igual para igual com os demais pretendentes. O homem é um touro. Basicamente, o grupo que apoiou o prefeito para o Paço Municipal também começa a enxergá-lo no Palácio das Esmeraldas”, diz uma peemedebista que falou com o DM.

A segunda teoria, de Caiado como o candidato peemedebista, seria inviabilizada pela desconfiança do próprio pré-candidato. Iris assinalou na última semana que o senador poderia entrar no PMDB, mas Caiado estaria “vacinado”, já que Vanderlan Cardoso (PSB) e Júnior Friboi (PMDB) fizeram o mesmo e na última hora foram preteridos.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247