Deputados criam grupo de trabalho para fsicalizar transporte marítimo

A Comissão de Infraestrutura, Desenvolvimento Econômico e Turismo da Assembleia Legislativa instalou em audiência pública ontem um grupo de trabalho para avaliar a qualidade das embarcações que fazem a travessia Salvador-Mar Grande; ação se dá após o naufrágio de um barco no dia 24 de agosto último, cujo saldo trágico foi de 19 mortos; "O que não podemos é fechar os olhos e acreditar que a tragédia foi uma fatalidade, já que os órgãos oficiais preferem se omitir", disse o presidente da comissão, deputado Hildécio Meireles (PMDB); apesar do convite, não compareceu ninguém do Ministério Público nem da Capitania dos Portos

A Comissão de Infraestrutura, Desenvolvimento Econômico e Turismo da Assembleia Legislativa instalou em audiência pública ontem um grupo de trabalho para avaliar a qualidade das embarcações que fazem a travessia Salvador-Mar Grande; ação se dá após o naufrágio de um barco no dia 24 de agosto último, cujo saldo trágico foi de 19 mortos; "O que não podemos é fechar os olhos e acreditar que a tragédia foi uma fatalidade, já que os órgãos oficiais preferem se omitir", disse o presidente da comissão, deputado Hildécio Meireles (PMDB); apesar do convite, não compareceu ninguém do Ministério Público nem da Capitania dos Portos
A Comissão de Infraestrutura, Desenvolvimento Econômico e Turismo da Assembleia Legislativa instalou em audiência pública ontem um grupo de trabalho para avaliar a qualidade das embarcações que fazem a travessia Salvador-Mar Grande; ação se dá após o naufrágio de um barco no dia 24 de agosto último, cujo saldo trágico foi de 19 mortos; "O que não podemos é fechar os olhos e acreditar que a tragédia foi uma fatalidade, já que os órgãos oficiais preferem se omitir", disse o presidente da comissão, deputado Hildécio Meireles (PMDB); apesar do convite, não compareceu ninguém do Ministério Público nem da Capitania dos Portos (Foto: Romulo Faro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Bahia 247 - A Comissão de Infraestrutura, Desenvolvimento Econômico e Turismo da Assembleia Legislativa instalou em audiência pública ontem um grupo de trabalho para avaliar a qualidade das embarcações que fazem a travessia Salvador-Mar Grande. Ação se dá após o naufrágio de um barco no dia 24 de agosto último, cujo saldo trágico foi de 19 mortos.

A audiência de ontem teve participação de moradores da ilha e familiares das vítimas do naufrágio. "Não existia na embarcação pessoas capacitadas para nos salvar. Um marinheiro entrou em estado de choque e eu que, mesmo não sendo treinado para tal, coloquei um colete em uma mulher. Dei minha vida pela dos outros", disse o funcionário público, Eduardo Aguadê.

A Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transporte e Comunicações da Bahia (Agerba), representada por seu diretor, Luciano Marcelo Dantas, reiterou a responsabilidade do órgão quanto à fiscalização do limite de passageiros, porém negou que tenha competência para deliberar sobre as condições meteorológicas para permitir o transporte.

"O que não podemos é fechar os olhos e acreditar que a tragédia foi uma fatalidade, já que os órgãos oficiais preferem se omitir", disse o presidente da comissão, deputado Hildécio Meireles (PMDB). Apesar do convite, não compareceu ninguém do Ministério Público nem da Capitania dos Portos.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247