Deputados criticam novo aumento de energia no TO

Reajuste de 13,79% na tarifa de energia de consumidores residenciais foi duramente criticado por deputados tocantinenses; presidente da Frente Parlamentar em Defesa dos Consumidores de Energia Elétrica, deputado federal César Halum (PRB-TO) classificou como "inadmissível" o aumento; "Estão nos assaltando, além de impactarem severamente na produção industrial que deve diminuir por conta das altas tarifas. Energia é bem de produção e não de consumo", disse Halum; na Assembleia Legislativa, os deputados Valdemar Júnior (PMDB) e Ricardo Ayres (PSB) também condenaram a medida; Ayres apresentou pedido ao Ministério Público Federal (MPF) para investigação do mais novo aumento permitido pela Aneel

Reajuste de 13,79% na tarifa de energia de consumidores residenciais foi duramente criticado por deputados tocantinenses; presidente da Frente Parlamentar em Defesa dos Consumidores de Energia Elétrica, deputado federal César Halum (PRB-TO) classificou como "inadmissível" o aumento; "Estão nos assaltando, além de impactarem severamente na produção industrial que deve diminuir por conta das altas tarifas. Energia é bem de produção e não de consumo", disse Halum; na Assembleia Legislativa, os deputados Valdemar Júnior (PMDB) e Ricardo Ayres (PSB) também condenaram a medida; Ayres apresentou pedido ao Ministério Público Federal (MPF) para investigação do mais novo aumento permitido pela Aneel
Reajuste de 13,79% na tarifa de energia de consumidores residenciais foi duramente criticado por deputados tocantinenses; presidente da Frente Parlamentar em Defesa dos Consumidores de Energia Elétrica, deputado federal César Halum (PRB-TO) classificou como "inadmissível" o aumento; "Estão nos assaltando, além de impactarem severamente na produção industrial que deve diminuir por conta das altas tarifas. Energia é bem de produção e não de consumo", disse Halum; na Assembleia Legislativa, os deputados Valdemar Júnior (PMDB) e Ricardo Ayres (PSB) também condenaram a medida; Ayres apresentou pedido ao Ministério Público Federal (MPF) para investigação do mais novo aumento permitido pela Aneel (Foto: Aquiles Lins)

Tocantins 247 - Após o anúncio do aumento 13,79% na tarifa de energia de consumidores residenciais e 9,99% para as indústrias no Tocantins, o presidente da Frente Parlamentar em Defesa dos Consumidores de Energia Elétrica, Combustíveis e Telefonia, deputado federal César Halum (PRB-TO), fez duras críticas à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

"É inadmissível que perante tantos desconfortos em nossa economia, que com tantos aumentos de impostos, a Aneel ainda tenha a capacidade de fazer um reajuste maior do que a inflação, que em 2015 ficou em torno de 10%. Estão nos assaltando, além de impactarem severamente na produção industrial que deve diminuir por conta das altas tarifas. Energia é bem de produção e não de consumo", disse Halum.

O parlamentar afirmou que apresentará, na próxima semana, um requerimento convocando o diretor geral da Aneel, Romeu Donizete Rufino, para prestar esclarecimentos à Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara dos Deputados a respeito dos aumentos tarifários.

A medida também foi criticada na Assembleia Legislativa. O deputado Valdemar Júnior (PMDB) usou a tribuna na sessão matutina dessa quarta-feira, dia 29, para questionar o aumento de 13,79% da energia elétrica no Tocantins autorizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

O parlamentar se disse perplexo pelo fato de o Tocantins, enquanto produtor de energia, ter um aumento dessa monta, ao passo que São Paulo terá um desconto de 8% na tarifa de luz. "Não podemos aceitar que os Estados do Norte, grandes produtores de energia, paguem mais caro do que os Estados praticamente consumidores", criticou.

Na mesma linha, Ricardo Ayres (PSB) anunciou a apresentação de um requerimento pedindo urgência ao Ministério Público Federal (MPF) na investigação do mais novo aumento permitido pela Agência Nacional. O acréscimo terá validade já a partir de segunda-feira, dia 4, sendo 13,79% para os consumidores residenciais e 9,99% para a indústria.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247