"Desafio do Mais Médicos é déficit de profissionais"

Opinião é do secretário de Saúde da Bahia (Sesab), que participou de debate sobre o programa Mais Médicos na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) do Senado nesta quinta; para o secretário, que também é membro do Conselho Nacional de Saúde, a carência de profissionais é evidenciada em pesquisas junto à população; "Quando se pergunta ao cidadão, ele efetivamente responde e identifica como o maior problema a falta de médicos. Ele vai ao posto e encontra enfermeiros e outros profissionais, mas não encontra médicos disponíveis para atendê-lo na hora em que necessita"

Opinião é do secretário de Saúde da Bahia (Sesab), que participou de debate sobre o programa Mais Médicos na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) do Senado nesta quinta; para o secretário, que também é membro do Conselho Nacional de Saúde, a carência de profissionais é evidenciada em pesquisas junto à população; "Quando se pergunta ao cidadão, ele efetivamente responde e identifica como o maior problema a falta de médicos. Ele vai ao posto e encontra enfermeiros e outros profissionais, mas não encontra médicos disponíveis para atendê-lo na hora em que necessita"
Opinião é do secretário de Saúde da Bahia (Sesab), que participou de debate sobre o programa Mais Médicos na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) do Senado nesta quinta; para o secretário, que também é membro do Conselho Nacional de Saúde, a carência de profissionais é evidenciada em pesquisas junto à população; "Quando se pergunta ao cidadão, ele efetivamente responde e identifica como o maior problema a falta de médicos. Ele vai ao posto e encontra enfermeiros e outros profissionais, mas não encontra médicos disponíveis para atendê-lo na hora em que necessita" (Foto: Romulo Faro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agência Senado

O secretário de Saúde do Estado da Bahia (Sesab), Jorge Solla, disse que a carência de recursos humanos, especialmente de médicos, é um dos dois maiores desafios enfrentados pelo sistema público de saúde do país. O outro seria a insuficiência de recursos para financiar as ações e serviços de saúde.

Um dos participantes de debate sobre o programa Mais Médicos na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH), ele disse que a carência de profissionais é evidenciada em pesquisas junto à população.

"Quando se pergunta ao cidadão, ele efetivamente responde e identifica como o maior problema a falta de médicos. Ele vai ao posto e encontra enfermeiros e outros profissionais, mas não encontra médicos disponíveis para atendê-lo na hora em que necessita."

De acordo como Solla, que também integra o Conselho Nacional de Saúde, o cadastro nacional dos estabelecimentos de saúde também mostra que se amplia a diferença entre a oferta de vagas para médicos e a quantidade de profissionais empregados. Há três anos, havia 2,6 postos por profissional e agora essa relação chegou a três vagas por médico em termos nacional. Na Bahia, a relação seria mais desfavorável, chegando ao nível de 3,3.

Quanto ao financiamento, ele disse que o gasto por habitante por dia corresponde a R$ 1,98, somados os recursos aplicados pelo governo federal, estados e municípios. Segundo afirmou, esse gasto é inexpressivo considerando as demandas crescentes sobre o sistema público, do que se exige "tudo para todos" em termos de saúde.

Ele observou que o atendimento vai desde ações básicas, como vacinações, até a alta complexidade, como transplantes de órgãos.

Em seguida, Solla defendeu a aprovação de projeto de iniciativa popular já entregue ao Congresso Nacional, com mais de dois milhões de assinaturas, em que é pedida a vinculação de 10% das receitas brutas federais a despesas na área da saúde.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email