Descobrem na França sepultamento excepcional de criança e cachorro de 2.000 anos

A criança, que segundo estimativas tinha cerca de um ano de idade, foi enterrada durante o domínio romano no início do século I d.C. em um caixão de madeira de 80 cm de comprimento

(Foto: INRAP)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - Especialistas do Instituto Nacional de Pesquisas Arqueológicas Preventivas (INRAP, na sigla em francês) da França encontraram durante escavações na comuna de Aulnat um sepultamento notável de uma criança que foi aí enterrada há 2.000 anos.

Conforme relata o site do INRAP, o túmulo com restos de uma criança pequena surpreendeu os cientistas, uma vez que continha uma grande quantidade de objetos funerários.

Além disso, os arqueólogos descobriram junto com a criança ossos de um cachorrinho. Alegadamente, o cão deveria acompanhar e proteger o jovem no submundo.

A criança, que segundo estimativas tinha cerca de um ano de idade, foi enterrada durante o domínio romano no início do século I d.C. em um caixão de madeira de 80 cm de comprimento.

No local do sepultamento foram achados cerca de 20 objetos, incluindo uma série de vasos de terracota em miniatura e frascos de vidro, que alegadamente continham óleos e medicamentos.

Já o pequeno cachorro tinha uma coleira com decorações de bronze e um pequeno sino.

"Os objetos que acompanhavam o falecido são absolutamente excepcionais, tanto em termos de quantidade como de qualidade", aponta INRAP.

Informa-se que este é o achado mais importante e mais antigo de um túmulo de criança na França.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email