Desfile Farroupilha leva às ruas tradições e costumes gaúchos

Milhares de pessoas acompanharam as comemorações do Desfile Farroupilha, que celebra as tradições e costumes da cultura gaúcha; nesta data, 20 de setembro, os gaúchos lembram a Revolução Farroupilha, guerra separatista contra o Brasil Império que começou em 1835 e durou dez anos; às margens do Rio Guaíba, parte significativa do público estava pilchada, ou seja, caracterizada com as roupas típicas da cultura gaúcha: os homens de camisa, lenço, bombacha e bota, e as mulheres com longos vestidos de prenda

Milhares de pessoas acompanharam as comemorações do Desfile Farroupilha, que celebra as tradições e costumes da cultura gaúcha; nesta data, 20 de setembro, os gaúchos lembram a Revolução Farroupilha, guerra separatista contra o Brasil Império que começou em 1835 e durou dez anos; às margens do Rio Guaíba, parte significativa do público estava pilchada, ou seja, caracterizada com as roupas típicas da cultura gaúcha: os homens de camisa, lenço, bombacha e bota, e as mulheres com longos vestidos de prenda
Milhares de pessoas acompanharam as comemorações do Desfile Farroupilha, que celebra as tradições e costumes da cultura gaúcha; nesta data, 20 de setembro, os gaúchos lembram a Revolução Farroupilha, guerra separatista contra o Brasil Império que começou em 1835 e durou dez anos; às margens do Rio Guaíba, parte significativa do público estava pilchada, ou seja, caracterizada com as roupas típicas da cultura gaúcha: os homens de camisa, lenço, bombacha e bota, e as mulheres com longos vestidos de prenda (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Daniel Isaia – Correspondente da Agência Brasil

Milhares de pessoas acompanharam nesta quarta-feira (20) as comemorações do Desfile Farroupilha, que celebra as tradições e costumes da cultura gaúcha. Nesta data, 20 de setembro, os gaúchos lembram a Revolução Farroupilha, guerra separatista contra o Brasil Império que começou em 1835 e durou dez anos.

O desfile foi de manhã na Avenida Edvaldo Pereira Paiva, às margens do Rio Guaíba. Parte significativa do público estava pilchada, ou seja, caracterizada com as roupas típicas da cultura gaúcha: os homens de camisa, lenço, bombacha e bota, e as mulheres com longos vestidos de prenda.

Na avenida, o público acompanhou os desfiles dos movimentos tradicionalistas de todo o Rio Grande do Sul. Gaúchos e prendas se apresentaram caracterizados, a maioria a cavalo ou na carroceria de carretas rurais. Tropas e cavalarias da Brigada Militar gaúcha e de outros órgãos de segurança pública também desfilaram.

Um dos que acompanharam o desfile foi o aposentado José Nonemacher que, de lenço e bombacha, assistiu à passagem das comitivas. Ele contou que chamou a atenção quando foi ao Canadá, há alguns meses, visitar o "piazito" – o filho, que estuda naquele país. “Levamos a nossa erva, nosso chimarrão e cultivamos lá também a cultura gaúcha. O pessoal perguntava o que era isso, a gente explicava tudo. É um orgulho  ter essa cultura e mantê-la, principalmente pilchados, como nós estamos”, afimou.

O amor pela terra e pelos costumes é unanimidade entre as pessoas que participam das festividades.

“É um sentimento que nasce com todos os gaúchos. No dia de hoje, 20 de setembro, a nossa data magna, ele aflora ainda mais. Nós queremos mostrar para toda a sociedade o quanto temos orgulho, o quanto temos amor pela cultura e pela tradição do nosso estado”, destacou Caroline Scariot, 2ª Prenda do Rio Grande do Sul. Natural de Lajeado, a 122 quilômetros de Porto Alegre, Caroline desfilou na Avenida Edvaldo Pereira Paiva.

Integrante de movimentos tradicionalistas, Caroline vive no dia a dia os costumes da cultura gaúcha. “As pessoas ficam bastante atraídas pelos cavalos que desfilam, pelas prendas com seus vestidos enormes, brilhantes e cheios de babados. Mas é importante que elas saibam que existe muito mais além disso. Em nossos galpões, nos CTGs [Centros de Tradições Gaúchas], há todo um resgate da história do nosso Rio Grande do Sul, da cultura, da geografia. Todo mundo pode, quando quiser, vir conhecer um pouco mais sobre essa história”, convidou a prenda.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247