Detentas fazem motim e queimam colchões

As detentas do presídio feminino Santa Luzia, em Maceió, queimaram colchões em protesto contra a suspensão das visitas causada pela greve dos agentes penitenciários; não há registros de feridos nem tentativa de fuga; ação teria durado poucos minutos

As detentas do presídio feminino Santa Luzia, em Maceió, queimaram colchões em protesto contra a suspensão das visitas causada pela greve dos agentes penitenciários; não há registros de feridos nem tentativa de fuga; ação teria durado poucos minutos
As detentas do presídio feminino Santa Luzia, em Maceió, queimaram colchões em protesto contra a suspensão das visitas causada pela greve dos agentes penitenciários; não há registros de feridos nem tentativa de fuga; ação teria durado poucos minutos (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Alagoas247 - A suspensão de visitas no sistema prisional, por conta da greve dos agentes penitenciários, gerou um motim, na manhã desta terça-feira (16), no Presídio Santa Luzia, situado no Tabuleiro do Martins. As detentas se revoltaram e queimaram colchões em protesto. Apesar da ação, ninguém ficou ferido e não houve tentativa de fuga.

Segundo a assessoria da Secretaria de Estado da Ressocialização e Inclusão Social (Seris), o motim durou poucos minutos e foi contido por agentes do Grupo de Intervenção Tática (GIT), que encaminharam as detentas para as celas.

"Elas estavam no pátio externo, quando se juntaram e atearam fogo em vários colchões. Mas, em pouco tempo, a situação foi contornada", informou a assessoria. A secretaria vai analisar, ainda, se as presidiárias vão sofrer punição.

Suspensão de visitas gerou tumulto em presídio

A paralisação dos agentes penitenciários teve início no fim de semana, quando foram suspensas todas as visitas no sistema prisional. Na pauta de reivindicações, além de melhores condições de trabalho, os profissionais reclamam do baixo efetivo, da superlotação e da mudança na escala de serviço. Com a paralisação, apenas os serviços de entrega da alimentação, urgência e emergência em saúde, segurança interna e externa estão sendo realizados pelos agentes penitenciários.

Devido à suspensão das visitas, famílias de presos fecharam os dois sentidos da BR-104, no Tabuleiro do Martins, em protesto. Diante dos apelos de militares e do presidente da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/AL), Daniel Nunes, eles encerraram a manifestação. Aos familiares, o representante da OAB prometeu trabalhar junto aos agentes penitenciários - que mantêm a greve - um caminho para garantir a visita dos familiares no próximo fim de semana.

Com gazetaweb.com

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para co[email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247