Diap põe Renan, Collor e Arthur entre os mais influentes do Congresso

O Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) incluiu três alagoanos na lista dos 100 parlamentares mais influentes do Congresso Nacional; os senadores Renan Calheiros (PMDB) e Fernando Collor (PTC), além do deputado federal Arthur Lira (PP), são considerados “parlamentares que conseguem se diferenciar dos demais, caracterizando-se como protagonistas do processo legislativo”

O Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) incluiu três alagoanos na lista dos 100 parlamentares mais influentes do Congresso Nacional; os senadores Renan Calheiros (PMDB) e Fernando Collor (PTC), além do deputado federal Arthur Lira (PP), são considerados “parlamentares que conseguem se diferenciar dos demais, caracterizando-se como protagonistas do processo legislativo”
O Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) incluiu três alagoanos na lista dos 100 parlamentares mais influentes do Congresso Nacional; os senadores Renan Calheiros (PMDB) e Fernando Collor (PTC), além do deputado federal Arthur Lira (PP), são considerados “parlamentares que conseguem se diferenciar dos demais, caracterizando-se como protagonistas do processo legislativo” (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Bleine Oliveira/eassim.net - O Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap)*, divulgou nesta segunda-feira, 4, a lista 2017 dos 100 parlamentares mais influentes do Congresso Nacional. É a conhecida lista dos “Cabeças”, ou seja, dos 100 deputados e senadores que influenciam as decisões na Câmara Federal e no Senado.

Estes são definidos pelo Diap como “parlamentares que conseguem se diferenciar dos demais, caracterizando-se como protagonistas do processo legislativo”. De Alagoas, aparecem os nomes de dois senadores e um deputado federal.

O levantamento inclui apenas os parlamentares que estavam no efetivo exercício do mandato no período de avaliação, de fevereiro a julho de 2017. Você goste ou não, querido leitor, os parlamentares alagoanos que estão na lista dos 100 mais influentes do Congresso são o deputado Arthur Lira (PP), e os senadores Fernando Collor (PTC) e Renan Calheiros (PMDB).

Vamos começar pelo deputado Arthur Lira. Ele é visto pelo Diap com articulador, ou seja, parlamentar “com excelente trânsito nas diversas correntes políticas, cuja facilidade de interpretar o pensamento da maioria os credencia a ordenar e criar as condições para o consenso”.

Para caracterizar o articulador, o Diap diz que este exerce “um poder invisível entre seus colegas de bancada, sem aparecer na imprensa ou nos debates de plenários e comissões”. Não são necessariamente eruditos, intelectuais, mas possuem instinto político e o dom da síntese.

O Diap ainda destacou o deputado Arthur Lira na relação dos parlamentares que pela primeira vez estreiam entre os mais influentes do Congresso Nacional. São parlamentares “com mais de um mandato, o que sinaliza a maturidade política como elemento importante para ocupar postos chaves de comando na atividade legislativa”.

O deputado federal alagoano, líder do PP e do Bloco Parlamentar PP, Pode e PTdoB, saiu da lista “Em Ascensão” no ano de 2016, entrando  para o seleto grupo dos mais influentes do Parlamento brasileiro em 2017.

Já o senador Fernando Collor aparece como formador de opinião. É aquele que o Diap define como “parlamentar que, por sua respeitabilidade, credibilidade e prudência, é chamado a arbitrar conflitos ou conduzir negociações políticas de grande relevância”. Ainda segundo a entidade, são experientes, com trânsito fácil entre as diversas correntes e segmentos representados no Congresso, têm visão abrangente dos problemas do País, e sua opinião sobre o assunto influencia fortemente a decisão dos demais parlamentares.

O “Cabeça” formador de opinião “é discreto na forma de agir, evitando se expor em questões menores do dia-a-dia do Legislativo. Preferem as decisões de bastidores, onde exercem real poder. Constituem a elite do Poder Legislativo, embora não precisem estar em postos-chave, como liderança formal ou presidência de uma das Casas do Congresso. São os que se pode chamar de líderes de alta patente, respeitados e legitimados pelo grupo ou corrente política que lideram”.

O senador Renan Calheiros é definido como “Cabeça” debatedor, ou seja, está entre os parlamentares “ativos, atentos aos acontecimentos e principalmente com grande senso de oportunidade e capacidade de repercutir, seja no plenário ou na imprensa, os fatos políticos gerados dentro ou fora do Congresso”.

Para o Diap, debatedor é, por essência, um parlamentar extrovertido, que procura ocupar espaços e explorar os assuntos que possam ser notícia. Exercem real influência nos debates e na definição da agenda prioritária. O debatedor, “com suas questões de ordem, de encaminhamento, discussão de matérias em votação, obstrução do processo deliberativo, dominam a cena e contribuem decisivamente na dinâmica do Congresso. São os parlamentares mais procurados pela imprensa”.

Os pés na Lavajato

O Diap não esqueceu que muitos dos “Cabeças” estão com os pés e as mãos na operação “LavaJato”, inclusive denunciados pelo Ministério Público.

Por isso, a entidade esclarece que na definição da lista não são considerados critérios éticos-morais. “Assim, o fato de ser influente não significa, necessariamente, que utilize sua influência apenas para o bem”.

Vai mais longe o Diap ao declarar que, “embora a maioria absoluta seja formada por parlamentares corretos e honestos, verdadeiramente preocupados com o interesse público e que pautam suas atuações por princípios republicanos, há exceções e entre estas existem alguns que não seguem necessariamente esses princípios, a julgar pelas investigações a cargo do Ministério Público”.

E lembrou que “um diagnóstico comum aos que fogem à regra de respeito aos princípios éticos, sendo ou não influente, está relacionado com a prática de captação ilegal de recursos financeiros, seja para financiar ou cobrir despesas de campanha, seja para o enriquecimento ilícito. Os custos de campanha, em grande medida, têm sido utilizados como pretexto para esses desvios de conduta”.

Na publicação 2017, o DIAP divulgou um levantamento incluindo parlamentares que, mesmo não fazendo parte do grupo dos 100 mais influentes, estão em plena ascensão. De Alagoas, aparecem os deputados Givaldo Carimbão (PHS), e Ronaldo Lessa (PDT). Segundo a pesquisa, se mantiverem a atual trajetória ascendente, podem estar futuramente na elite parlamentar.

Para que você, leitor, faça sua própria avaliação dessa lista, segue o link com os dados completos da 24ª edição da pesquisa “Os mais Influentes do congresso 2017”.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247