"Dilma confunde obrigação com agenda de candidata"

Para justificar a proposta do senador presidenciável Aécio Neves de acabar a reeleição para o Executivo, o líder da minoria no Congresso, deputado Antônio Imbassahy (PSDB), cita como "mau exemplo" a presidente Dilma Rousseff, que, segundo ele, já está em campanha; "Ela deixa de tomar decisões a favor do povo para fazer política pensando na próxima eleição"; tucano se diz a favor de investigação na Petrobras na era FHC e afirma que o Planalto está "jogando pesado" para impedir a instalação da CPI para apurar denúncias de irregularidade na estatal sob gestão de José Sérgio Gabrielli, no governo Lula; "A gestão de Gabrielli foi temerária"

"Dilma confunde obrigação com agenda de candidata"
"Dilma confunde obrigação com agenda de candidata"
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Romulo Faro - Bahia 247

Um dos tucanos mais entusiastas da candidatura do senador mineiro Aécio Neves à presidência da República, o líder da minoria no Congresso, deputado Antônio Imbassahy, concorda plenamente com a proposta do correligionário de findar a reeleição para o Poder Executivo.

Em entrevista exclusiva ao Bahia 247, Imbassahy cita como "mau" exemplo para justificar a proposta de Aécio a conduta da presidente Dilma Rousseff, que, segundo ele, já está em campanha.

"É uma proposta muito boa. No Brasil os governantes se elegem para o primeiro mandato já pensando na reeleição dali a quatro anos. Veja Dilma, por exemplo. Ela confunde as obrigações de presidente da República com sua agenda de candidata. E quem paga essa conta é a população. Ela deixa de tomar decisões a favor do povo para fazer política".

O líder oposicionista se disse também a favor de investigação na Petrobras na era do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. "Concordo com qualquer apuração de possíveis problemas na máquina pública. Tudo o que é público deve ser transparente ao povo. Se existe indício para as suspeitas, deve haver apuração rigorosa por parte dos órgãos competentes".

Sobre a instalação da CPI da Petrobras para apurar possíveis irregularidades na gestão do ex-presidente da estatal José Sérgio Gabrielli, Imbassahy afirma que o Planalto tenta impedir a coleta de assinaturas, mas revela ao 247 que o procedimento está avançando.

"O governo, claro, não admite, mas está jogando pesado para impedir a instalação da CPI. Mas a comissão tem que ser instalada. A gestão de Sérgio Gabrielli foi muito temerária, com diversos indícios de malversação do dinheiro público".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247