"Dilma quer colocar o Congresso de joelhos"

Líder do PSDB na Câmara, Antônio Imbassahy, reclama de "ordem" da presidente para que pedido de comissão para investigar a Petrobras não seja votado; "Ao exigir que a Câmara volte atrás de uma decisão que já foi tomada, a presidente Dilma está desrespeitando o Congresso e quebrando, de forma descarada, a independência entre os poderes. É uma ação espúria, antirrepublicana, que só comprova o perfil arrogante e tirano da presidente. É inadmissível que ela queira colocar o Congresso de joelhos. Não estamos na Venezuela"

Líder do PSDB na Câmara, Antônio Imbassahy, reclama de "ordem" da presidente para que pedido de comissão para investigar a Petrobras não seja votado; "Ao exigir que a Câmara volte atrás de uma decisão que já foi tomada, a presidente Dilma está desrespeitando o Congresso e quebrando, de forma descarada, a independência entre os poderes. É uma ação espúria, antirrepublicana, que só comprova o perfil arrogante e tirano da presidente. É inadmissível que ela queira colocar o Congresso de joelhos. Não estamos na Venezuela"
Líder do PSDB na Câmara, Antônio Imbassahy, reclama de "ordem" da presidente para que pedido de comissão para investigar a Petrobras não seja votado; "Ao exigir que a Câmara volte atrás de uma decisão que já foi tomada, a presidente Dilma está desrespeitando o Congresso e quebrando, de forma descarada, a independência entre os poderes. É uma ação espúria, antirrepublicana, que só comprova o perfil arrogante e tirano da presidente. É inadmissível que ela queira colocar o Congresso de joelhos. Não estamos na Venezuela" (Foto: Romulo Faro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Bahia 247 - A guerra PMDB x PT (ou PT x PMDB) virou um prato cheio para a oposição no Congresso e o líder do PSDB na Câmara, deputado Antônio Imbassahy, não perdeu tempo.

Em nota, o tucano disse que "ao exigir" que o presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves, do PMDB, retire da pauta de votações requerimento que prevê criação de comissão externa para investigar denúncia de pagamento de suborno em contratos da Petrobras, "a presidente Dilma quer humilhar" o peemedebista e "colocar o Congresso de joelhos, o que é inadmissível".

Assinado pelos líderes do PSDB, do Democratas, do PPS, do Solidariedade e da Minoria, o requerimento foi discutido no colégio de líderes da Câmara e recebeu anuência de vários outros partidos para que fosse votado pelo plenário.

Matéria entrou na pauta dos dias 25 e 26 de fevereiro, "mas o PT conseguiu inviabilizar as votações". No entanto, ao encerrar a sessão do dia 26, o presidente da Câmara garantiu que a matéria será o primeiro item a ser votado nesta terça-feira (11).

"Ao exigir que a Câmara volte atrás de uma decisão que já foi tomada, que é a de votar o requerimento, a presidente Dilma está desrespeitando o Congresso Nacional e quebrando, de forma descarada, a independência entre os poderes. É uma ação espúria, antirrepublicana, que só comprova o perfil arrogante e tirano da presidente. É inadmissível que ela queira colocar o Congresso de joelhos. Não estamos na Venezuela", disparou Imbassahy.

Líder do PSDB diz ainda que Dilma quer impedir a investigação de uma denúncia "de extrema gravidade" envolvendo a Petrobras. Ele lembrou que a petista foi presidente do Conselho de Administração da empresa durante muitos anos e, dessa forma, deveria ser uma das primeiras a apoiar a apuração.

"Além de tentar imobilizar o Congresso Nacional, que representa a sociedade brasileira, a presidente Dilma quer impedir que uma denúncia de suborno seja investigada. É mais um péssimo exemplo daquela que ocupa a Presidência da República e quis posar de faxineira, que não tolera corrupção".

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email