Donizeti defende novas eleições para presidente

O senador Donizeti Nogueira (PT-TO) também afirmou que a permanência de Dilma no poder não é a solução para os problemas do País; de acordo com o parlamentar, uma nova eleição é uma forma de legitimar um novo governo federal; "O eleitor é soberano no processo de fortalecimento da democracia", disse ele no plenário da Casa

O senador Donizeti Nogueira (PT-TO) também afirmou que a permanência de Dilma no poder não é a solução para os problemas do País; de acordo com o parlamentar, uma nova eleição é uma forma de legitimar um novo governo federal; "O eleitor é soberano no processo de fortalecimento da democracia", disse ele no plenário da Casa
O senador Donizeti Nogueira (PT-TO) também afirmou que a permanência de Dilma no poder não é a solução para os problemas do País; de acordo com o parlamentar, uma nova eleição é uma forma de legitimar um novo governo federal; "O eleitor é soberano no processo de fortalecimento da democracia", disse ele no plenário da Casa (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Tocantins 247 - O senador Donizeti Nogueira (PT-TO) defendeu, nessa terça-feira (19), a realização de eleições presidenciais em 2016 e admitiu que a permanência de Dilma Rousseff no poder não é a solução para os problemas do País. De acordo com o parlamentar, uma nova eleição é uma forma de legitimar um novo governo federal. "O eleitor é soberano no processo de fortalecimento da democracia", disse ele no plenário da Casa.

O deputado não é o único membro do partido a defender novas eleições. Conforme publicou o 247 mais cedo, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC), que determina a realização de novas eleições para presidente e vice já em outubro deste ano já reúne as 27 assinaturas necessárias para iniciar a tramitação. Oito dos onze senadores do PT assinaram apoio à proposta.

A proposta foi anunciada nessa segunda-feira (18) pelos senadores Walter Pinheiro (sem partido/BA), Cristovam Buarque (PPS-DF), Lídice da Mata (PSB-BA), João Capiberibe (PSB-AP), Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Paulo Paim (PT-RS). 

Segundo o grupo, o impeachment está sendo questionado pela população ao permitir que o vice-presidente da República, Michel Temer, e o presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha (RJ), ambos do PMDB, assumam os cargos de presidente e, na prática, de vice, “sem legitimidade”.

Confira os nomes dos senadores que apoiaram a abertura da proposta:

Walter Pinheiro (sem partido/BA)
Acir Gurgacz (PDT-RO)
Angela Portela (PT-RR)
Blairo Maggi (PR-MT)
Ciro Nogueira (PP-PI)
Cristovam Buarque (PPS-DF)
Donizeti Nogueira (PT-TO)
Douglas Cintra (PTB-PE)
Elmano Férrer (PTB-PI)
Fátima Bezerra (PT-RN)
Gleisi Hoffman (PT-PR)
Humberto Costa (PT-PE)
Hélio José (PMDB-DF)
Ivo Cassol (PP-RO)
Jorge Viana (PT-AC)
João Capiberibe (PSB-AP)
Lasier Martins (PDT-RS)
Lindbergh Farias (PT-RJ)
Lídice da Mata (PSB-BA)
Omar Aziz (PSD-AM)
Otto Alencar (PSD-BA)
Paulo Paim (PT-RS)
Randolfe Rodrigues (sem partido-DF)
Reguffe (Rede-AP)
Roberto Requião (PMDB-PR)
Romário (PSB-RJ)
Rose de Freitas (PMDB-ES)
Telmário Mota (PDT-RR)
Vicentinho Alves (PR-TO)

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247