Doria abandona cidade e faz campanha presidencial

No lugar de governar São Paulo, onde as ruas estão cheias de buracos e a Câmara Municipal está ocupada contra seu plano de privatização de espaços públicos, como parques, o prefeito João Doria decidiu fazer campanha presidencial antecipada; na próxima semana, ele visita quatro capitais para falar sobre "gestão ética e responsável", além de receber títulos e se reunir com empresários; em outra frente para se lançar ao Planalto em 2018, numa disputa interna com o governador Geraldo Alckmin, Doria gasta tempo tentando emplacar aliados na direção do PSDB; nos últimos dias, o tucano foi o assunto mais comentado na política depois de ter recebido uma ovada durante protesto em Salvador, onde foi receber homenagem

No lugar de governar São Paulo, onde as ruas estão cheias de buracos e a Câmara Municipal está ocupada contra seu plano de privatização de espaços públicos, como parques, o prefeito João Doria decidiu fazer campanha presidencial antecipada; na próxima semana, ele visita quatro capitais para falar sobre "gestão ética e responsável", além de receber títulos e se reunir com empresários; em outra frente para se lançar ao Planalto em 2018, numa disputa interna com o governador Geraldo Alckmin, Doria gasta tempo tentando emplacar aliados na direção do PSDB; nos últimos dias, o tucano foi o assunto mais comentado na política depois de ter recebido uma ovada durante protesto em Salvador, onde foi receber homenagem
No lugar de governar São Paulo, onde as ruas estão cheias de buracos e a Câmara Municipal está ocupada contra seu plano de privatização de espaços públicos, como parques, o prefeito João Doria decidiu fazer campanha presidencial antecipada; na próxima semana, ele visita quatro capitais para falar sobre "gestão ética e responsável", além de receber títulos e se reunir com empresários; em outra frente para se lançar ao Planalto em 2018, numa disputa interna com o governador Geraldo Alckmin, Doria gasta tempo tentando emplacar aliados na direção do PSDB; nos últimos dias, o tucano foi o assunto mais comentado na política depois de ter recebido uma ovada durante protesto em Salvador, onde foi receber homenagem (Foto: Gisele Federicce)

SP 247 - O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), tem gastado boa parte de seu tempo viajando pelo País, recebendo homenagens e articulando com políticos para - por exemplo - apoiar o governo de Michel Temer.

Enquanto isso, a capital paulista, que vive seus milhares de problemas diariamente, fica abandonada. Apenas na semana que vem, o tucano tem três viagens marcadas para o Nordeste e o Centro-Oeste, como noticia a colunista Mônica Bergamo.

No período de segunda a sexta, o prefeito passará por Palmas (TO), Natal (RN), Fortaleza (CE) e Campina Grande (PB), recebendo títulos e se reunindo com empresários.

Em outra frente, Doria usa sua agenda para tentar emplacar aliados na direção nacional do PSDB. Desta forma, pode receber apoio numa eventual - e cada vez mais possível - disputa interna com o governador Geraldo Alckmin, seu padrinho político, para se lançar ao Planalto em 2018.

Em editorial publicado neste sábado 12, o jornal O Estado de S.Paulo cobrou o prefeito para que ele seja mais gestor e menos político, como prometeu em sua campanha no ano passado, e ressaltou que "a cidade precisa" dele.

"O prefeito tem todo o direito de, como político, aproveitar a oportunidade que se abre para ele de voos mais altos. Mas não pode deixar de lado as obrigações que assumiu tão enfaticamente, como 'gestor', e há tão pouco tempo", diz o texto (leia aqui).

Nos últimos dias, o tucano foi o assunto mais comentado na política depois de ter recebido uma ovada durante protesto em Salvador, onde também foi receber uma homenagem. Assista abaixo ao debate realizado pelo 247 sobre o assunto.

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247