Doria inflou números para justificar privatizações, diz gestor do Anhembi

Para o presidente da SPTuris, Alcino Reis Rocha, o prefeito eleito da de São Paulo, João Doria (PSDB), inflou os números usados para explicar a economia de gastos da cidade caso o estádio do Pacaembu, o autódromo de Interlagos e o complexo do Anhembi sejam privatizados; Rocha afirma que a prefeitura não repassa dinheiro para a manutenção do autódromo e do Anhembi, que seriam mantidos com dinheiro da receita da própria SPTuris (empresa que tem a prefeitura como maior acionista), sem recursos do tesouro municipal

Doria inflou números para justificar privatizações, diz gestor do Anhembi
Doria inflou números para justificar privatizações, diz gestor do Anhembi
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

SP 247 - Para o presidente da SPTuris, Alcino Reis Rocha, o prefeito eleito da de São Paulo, João Doria (PSDB), inflou os números usados para explicar a economia de gastos da cidade caso o estádio do Pacaembu, o autódromo de Interlagos e o complexo do Anhembi sejam privatizados, diz reportagem da Folha de S.Paulo.

Rocha afirma que a prefeitura não repassa dinheiro para a manutenção do autódromo e do Anhembi.  Segundo ele, esses equipamentos são mantidos com dinheiro da receita da própria SPTuris (empresa que tem a prefeitura como maior acionista), sem recursos do tesouro municipal.

"Ou seja, gastos com manutenção e folha de pagamento são pagos pela SPTuris com recursos obtidos por meio da locação de espaços e da prestação de serviços. O dinheiro que a prefeitura repassa à SPTuris, segundo seu presidente, se refere ao pagamento desses serviços, tais como o Réveillon, a Virada Cultural, Parada Gay etc."

Em um artigo publicado no mesmo jornal na quarta (12), Doria afirmou que a cidade economizaria R$ 600 milhões em quatro anos. "Esse é o valor que a prefeitura gasta ao longo de um mandato para manter, ainda que de forma precária, o estádio, o autódromo, o centro de convenções, o pavilhão de exposições e o sambódromo municipais", escreveu.

"Não geraria economia porque a prefeitura já não gasta com isso",diz Rocha.

Assim, restariam na conta feita por Doria os custos do estádio do Pacaembu, que ele pretende conceder. Segundo a prefeitura, o estádio custou cerca de R$ 4,6 milhões para São Paulo em 2015. A estimativa para quatro anos giraria em torno de R$ 18,4 milhões, levando em conta esse ano.

A diferença entre o valor apresentado por Doria e esse cálculo é de R$ 581,6 milhões. Mesmo se a conta considerasse os custos da manutenção do autódromo e do Anhembi, os números não bateriam, observa Rocha."

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247