Doria sanciona imposto da Netflix. Globo agradece

Prefeito de São Paulo sancionou o projeto de lei que passa a cobrar impostos para serviços de streaming, como Netflix e Spotify, que havia sido aprovado pela Câmara; tucano, porém, vetou, o trecho da legislação que previa a isenção de impostos para igrejas e templos religiosos; com a cobrança, os serviços de streaming serão taxados com uma alíquota de 2,9% na capital paulista a partir de dezembro; Globo, que vem perdendo espaço para estes serviços, é maior beneficiada com a nova legislação

O prefeito João Doria
O prefeito João Doria (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

SP 247 - O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), sancionou o projeto de lei que passa a cobrar impostos para serviços de streaming, como Netflix e Spotify, que havia sido aprovado pela Câmara em 1º de novembro.

O tucano, porém, vetou, o trecho da legislação que previa a isenção de impostos para igrejas e templos religiosos. Com a cobrança, os serviços de streaming serão taxados com uma alíquota de 2,9% na capital paulista a partir de dezembro.

O poder municipal alega que a cobrança visa adequar a cidade à legislação federal que trata do assunto, que apontou que a cobrança de Imposto Sobre Serviço (ISS) para essas empresas cabe aos municípios, assim como o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU).

Doria, porém, vetou emenda do aliado e vereador Eduardo Tuma (PSDB), vice-presidente da Câmara e que tem nas igrejas evangélicas uma de suas principais bases eleitorais, que previa a isenção de cobrança de quaisquer taxas para templos religiosos e igrejas na capital.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247