Durval Ângelo: Reforma política aumenta crise de representação

O líder do governo na Assembleia Legislativa de Minas, deputado Durval Ângelo, criticou a implementação do “Distritão” prevista na reforma política em tramitação no Congresso; “O que estamos vendo hoje é uma reforma eleitoral, não política. São questões pontuais. Essa reforma piora o modelo, vai gerar um aumento na crise da representação”, afirma; deputada Rosângela Reis (Pros) disse que “o ‘Distritão’ acaba beneficiando os grandes partidos. Na hora da composição das bancadas dentro das câmaras e assembleias, o contraponto vai ser menor, com os partidos menores sendo prejudicados”

Durval Ângelo (deputado estadual PT/MG)
Durval Ângelo (deputado estadual PT/MG) (Foto: Leonardo Lucena)

Minas 247 - O líder do governo na Assembleia Legislativa de Minas, deputado Durval Ângelo, criticou a implementação do “Distritão” prevista na reforma política em tramitação no Congresso Nacional. “O que estamos vendo hoje é uma reforma eleitoral, não política. São questões pontuais. Essa reforma piora o modelo, vai gerar um aumento na crise da representação”, afirma.

O parlamentar também afirmou que “o financiamento público é correto, mas temos que deixar claro que os valores propostos são absurdamente altos. O ideal seria que tirássemos de emendas parlamentares para fazer esse financiamento público”.

A deputada Rosângela Reis (Pros) disse que o projeto da reforma prejudicará os partidos menores. “O ‘Distritão’ acaba beneficiando os grandes partidos. Na hora da composição das bancadas dentro das câmaras e assembleias, o contraponto vai ser menor, com os partidos menores sendo prejudicados”, acrescentou. As entrevistas foram publicadas no jornal Hoje em Dia.

Posição diferente é a do líder do PSDB na Assembleia Legislativa (ALMG), deputado Gustavo Valadares. “O modelo atual está falido e uma reforma precisa ser feita. Como a regra seria para todo mundo, o que vão mudar são os valores e a colocação de nomes mais viáveis para ganhar as eleições”, afirma.

De acordo com o tucano, as mudanças facilitariam a adoção do que, segundo ele, seria o sistema político ideal. “O caminho é o sistema distrital misto. Aí sim, com o acréscimo do valor do fundo partidário, faríamos uma transição que não seria tão ruim, já pensando no modelo que seria no futuro”, diz Valadares.


Ao vivo na TV 247 Youtube 247