Empresa suspende fiscalização no trânsito de Palmas por falta de pagamento

 empresa Perkons S/A, responsável pelo serviço de monitoramento do trânsito de Palmas, comunicou ao Paço Municipal a interrupção dos seus serviços, regidos pelos contratos 089/2015, 329/2015 e 377/2015; o motivo é uma dívida de quase 10 milhões referentes aos serviços de monitoramento no trânsito de Palmas correspondente a março de 2016 até agora, abril de 2017; ‟Se é prioridade para essa gestão salvar vidas como é que atrasa o pagamento? Que prioridade é essa?", questionou o vereador Lúcio Campelo

 empresa Perkons S/A, responsável pelo serviço de monitoramento do trânsito de Palmas, comunicou ao Paço Municipal a interrupção dos seus serviços, regidos pelos contratos 089/2015, 329/2015 e 377/2015; o motivo é uma dívida de quase 10 milhões referentes aos serviços de monitoramento no trânsito de Palmas correspondente a março de 2016 até agora, abril de 2017; ‟Se é prioridade para essa gestão salvar vidas como é que atrasa o pagamento? Que prioridade é essa?", questionou o vereador Lúcio Campelo
 empresa Perkons S/A, responsável pelo serviço de monitoramento do trânsito de Palmas, comunicou ao Paço Municipal a interrupção dos seus serviços, regidos pelos contratos 089/2015, 329/2015 e 377/2015; o motivo é uma dívida de quase 10 milhões referentes aos serviços de monitoramento no trânsito de Palmas correspondente a março de 2016 até agora, abril de 2017; ‟Se é prioridade para essa gestão salvar vidas como é que atrasa o pagamento? Que prioridade é essa?", questionou o vereador Lúcio Campelo (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Tocantins 247 - A empresa Perkons S/A, responsável pelo serviço de monitoramento do trânsito de Palmas, comunicou ao Paço Municipal a interrupção dos seus serviços, regidos pelos contratos 089/2015, 329/2015 e 377/2015. O motivo é uma dívida de quase 10 milhões referentes aos serviços de monitoramento no trânsito de Palmas correspondente a março de 2016 até agora, abril de 2017.

O assunto foi abordado pelo vereador Lúcio Campelo (PR) na manhã desta terça-feira, 18, uma vez que a empresa enviou expediente para a Prefeitura de Palmas informando seu posicionamento, no último dia 07. O valor mensal a ser pago gira em torno de 830 mil reais.

O vereador lembrou que, de acordo com o Portal da Transparência, a Prefeitura arrecadou em 2016 quase 7 milhões em multa, ‟o Prefeito gosta de cobrar, mas não gosta de pagar", ironizou. ‟Se é prioridade para essa gestão salvar vidas como é que atrasa o pagamento? Que prioridade é essa? Porque esse é o discurso de quem faz defesa aqui, é o discurso do prefeito", disse Campelo.

‟A empresa está entrando na justiça para receber aquilo que eu questionei lá atrás dizendo que era um valor excessivo. E por que eu questionei? Porque eu sabia que o município iria chegar ao ponto que não teria condições de pagar. Porque não fez uma coisa dentro da realidade do nosso município? Isso demonstra claramente que o prefeito Carlos Amastha, na condição de prefeito, não tem esse compromisso de salvar vidas", completou Lúcio Campelo.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247