Empresas de mineração anunciam investimento de R$ 2,3 bilhões em Goiás

Goiás é destaque entre os demais estados brasileiros, num momento de dificuldade financeira, ao anunciar o maior pacote de obras do país (Goiás na Frente), com investimentos públicos de R$ 6 bilhões; nesta sexta-feira, várias empresas minerárias que atuam em Goiás anunciaram investimento de 750 milhões de dólares em projetos de exploração, ampliação e pesquisa mineral no Estado; agora, com mais esses investimentos privados da área de mineração 750 milhões de dólares (cerca de R$ 2,3 bilhões), a previsão de investimentos do setor privado no programa Goiás na Frente, que era de R$ 3 bilhões (600 milhões de dólares da Celg D/Enel, entre outros), deve ultrapassar os R$ 5 bilhões

Goiás é destaque entre os demais estados brasileiros, num momento de dificuldade financeira, ao anunciar o maior pacote de obras do país (Goiás na Frente), com investimentos públicos de R$ 6 bilhões; nesta sexta-feira, várias empresas minerárias que atuam em Goiás anunciaram investimento de 750 milhões de dólares em projetos de exploração, ampliação e pesquisa mineral no Estado; agora, com mais esses investimentos privados da área de mineração 750 milhões de dólares (cerca de R$ 2,3 bilhões), a previsão de investimentos do setor privado no programa Goiás na Frente, que era de R$ 3 bilhões (600 milhões de dólares da Celg D/Enel, entre outros), deve ultrapassar os R$ 5 bilhões
Goiás é destaque entre os demais estados brasileiros, num momento de dificuldade financeira, ao anunciar o maior pacote de obras do país (Goiás na Frente), com investimentos públicos de R$ 6 bilhões; nesta sexta-feira, várias empresas minerárias que atuam em Goiás anunciaram investimento de 750 milhões de dólares em projetos de exploração, ampliação e pesquisa mineral no Estado; agora, com mais esses investimentos privados da área de mineração 750 milhões de dólares (cerca de R$ 2,3 bilhões), a previsão de investimentos do setor privado no programa Goiás na Frente, que era de R$ 3 bilhões (600 milhões de dólares da Celg D/Enel, entre outros), deve ultrapassar os R$ 5 bilhões (Foto: José Barbacena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Goiás 247 - Goiás é destaque entre os demais estados brasileiros, num momento de dificuldade financeira, ao anunciar o maior pacote de obras do país (Goiás na Frente), com investimentos públicos de R$ 6 bilhões. Hoje, em solenidade no 10º andar do Palácio Pedro Ludovico Teixeira, várias empresas minerárias que atuam em Goiás anunciaram investimento de 750 milhões de dólares em projetos de exploração, ampliação e pesquisa mineral no Estado.

Agora, com mais esses investimentos privados da área de mineração 750 milhões de dólares (cerca de R$ 2,3 bilhões), a previsão de investimentos do setor privado no programa Goiás na Frente, que era de R$ 3 bilhões (600 milhões de dólares da Celg D/Enel, entre outros), deve ultrapassar os R$ 5 bilhões.

Não bastasse o esforço do governador Marconi Perillo em cortar gastos e fazer os ajustes necessários para garantir a saúde financeira de Goiás, com o pagamento em dia dos servidores e o funcionamento de todos os serviços prestados à comunidade, as empresas e o governo anunciam investimentos de 750 milhões de dólares em mineração (exploração, ampliação e pesquisa).

“O Programa Goiás na Frente dá um salto importante com esses novos investimentos do setor privado, devendo ultrapassar a casa dos R$ 5 bilhões. Isso mostra que foi bastante realista a previsão do Governo de Goiás, ao lançar o programa, e é também um forte argumento contra os que não acreditavam na sua viabilidade”, afirmou o titular da Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Infraestrutura, Cidades e Assuntos Metropolitanos (Secima), Vilmar Rocha, que no ato representou o governador Marconi Perillo.

"O Governo de Goiás prova que é possível sair da crise, disse o presidente do Instituto Brasileiro de Mineração, Walter Alvarenga, ao falar do ambiente propício do Estado de Goiás, considerado “pólo para o desenvolvimento da mineração brasileira”, e da atuação da iniciativa privada, que conta com o “apoio do governo ao setor produtivo, mão de obra qualificada e logística adequada”. Walter Alvarenga relatou ainda que “municípios com empresas de mineração têm um IDH mais alto que os demais, foi o que constatamos em pesquisas feitas pelo instituto”.

Vilmar Rocha disse que “mineração e agronegócio” são as bases da economia goiana. “Nos dois primeiros anos de seu mandato, o governador Marconi Perillo fez um ajuste fiscal muito sério. Com isso, ele conseguiu equilibrar o Estado e pôde, no início deste ano, anunciar investimentos, em vários setores, que representam a retomada do crescimento da economia goiana”, salientou Vilmar. Para o presidente da Federação das Indústrias de Goiás, Pedro Alves de Oliveira, “Goiás está acima da média nacional. Passamos pela crise de forma contundente porque aqui existe interação entre o governador e seus auxiliares”.

Tecnologias para a Mineração

No ato, foi assinado protocolo de intenções entre o Governo de Goiás, Ministério de Minas e Energia, Universidade Federal de Goiás (UFG) e a Federação das Indústrias do Estado de Goiás (Fieg), para a implantação de um Centro de Desenvolvimento de Tecnologias para a Mineração na cidade de Catalão-GO. “Esse centro vai, além de tudo o que ele representa, apoiar o curso de Mineração criado recentemente pela UFG no município. Goiás sempre esteve à frente do Brasil na geração de emprego e desenvolvimento, e esse setor é essencial para continuarmos crescendo, graças à sensibilidade do nosso governador”, lembrou Vilmar Rocha.

O centro tem como objetivo a geração e difusão de conhecimento e inovação tecnológica. Com equipamentos de ponta, neste ambiente serão desenvolvidas pesquisas básicas e aplicadas em geologia, tecnologias minerais e tecnologias limpas, além da prestação de serviços tecnológicos que atendam, com inovação e eficiência, às demandas do setor empresarial de mineração em Goiás.

O secretário de Geologia e Transformação Mineral do Ministério de Minas e Energias, Vicente Lobo, relatou estar especialmente feliz "por anunciar investimentos num estado que é exemplo para o país, por sua capacidade de reinventar, de acreditar, de investir, de gerar emprego e desenvolvimento. Goiás mostra, hoje, uma janela de oportunidades, de acreditar no país, de entender que o setor mineral é imprescindível para a nossa nação, setor que gera 200 mil empregos diretos”, afirmou Vicente.

Mineração em Goiás

Goiás é o terceiro polo mineral do Brasil, atrás apenas do Pará e Minas Gerais, não computados aí os estados produtores de petróleo. O setor representa cerca de 5% da produção nacional. Dentre os recursos minerais produzidos e tratados em Goiás, merecem destaque o amianto (maior produtor da América da Sul), níquel (maior produtor brasileiro), e ouro, fosfato e nióbio (2º produtor nacional).

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247