Entreguista, Serra diz que agora o petróleo é nosso

Autor do projeto de lei que acaba com a obrigatoriedade de participação da Petrobras na exploração dos campos de petróleo do pré-sal e entrega os recursos de bandeja para as petroleiras estrangeiras, o senador José Serra publicou um artigo em que agora defende que "o petróleo é nosso"

Entreguista, Serra diz que agora o petróleo é nosso
Entreguista, Serra diz que agora o petróleo é nosso (Foto: (Valter Campanato/Agência Brasil)

247 - Em um artigo repleto de cinismo, o senador José Serra (PSDB-SP), primeiro chanceler do governo ilegítimo e entreguista de Michel Temer, agora diz defender o petróleo brasileiro.

Confira abaixo alguns trechos

"Na semana passada a União assinou os contratos de outorga aos consórcios vencedores dos leilões petróleo do pré-sal realizados em outubro, já sob as regras da Lei 13.365, de minha autoria, sancionada no final de 2016. Essa lei desobrigou a Petrobrás de participar da exploração de todos os campos ofertados e, mais ainda, cobrindo, no mínimo, 30% dos investimentos.

(...)

Acelerar a produção do pré-sal é imperativo para aproveitarmos este período em que o petróleo ainda tem valor, apesar de já estar em trajetória de obsolescência. As novas fontes de energia (especialmente solar e eólica), as restrições ao uso de combustíveis fósseis e os ganhos de eficiência energética – vejam a arrancada fulminante do carro elétrico – tendem a reduzir o consumo per capita de petróleo. De 2011 a 2014 o preço médio do barril foi superior a US$ 100. Hoje, mesmo na presença de uma inédita concertação entre os maiores exportadores, o barril está a menos de US$ 70 e muitos especialistas acreditam que nem esse nível será sustentável. Se continuássemos atrasando o aumento da produção no pré-sal, suas imensas reservas ficariam enterradas para sempre.

Não há tempo a perder.

Como bem lembrou o ministro Fernando Bezerra durante a cerimônia de assinatura dos contratos de partilha, o Brasil até hoje perfurou 30 mil poços de petróleo, metade do realizado pela Argentina e igual ao número de poços que se abrem anualmente nos Estados Unidos. Se mantivermos o passo firme que adotamos a partir de 2016, a estimativa é de que alcancemos 5,5 milhões de barris/dia até 2030, dobrando nossa participação na produção mundial de 2,5% para 5%.

(...)

O novo marco do regime de partilha demonstra como boas políticas podem rapidamente reverter o pessimismo, criar oportunidades e efetivamente gerar emprego e riqueza. O petróleo está ajudando o Brasil a se levantar."

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247