Equipe econômica do governo discute a Previdência Complementar

A reunião ocorreu na Residência Oficial e discutiu a adesão do Piauí à Previdência do Nordeste; para o governador Wellington Dias, a política previdenciária do estado trará equilíbrios no futuro; “A previdência complementar é voluntária, depende de aprovação do servidor. Ele pode programar a aposentadoria. O objetivo é garantir lá na frente o equilíbrio”, explicou

A reunião ocorreu na Residência Oficial e discutiu a adesão do Piauí à Previdência do Nordeste; para o governador Wellington Dias, a política previdenciária do estado trará equilíbrios no futuro; “A previdência complementar é voluntária, depende de aprovação do servidor. Ele pode programar a aposentadoria. O objetivo é garantir lá na frente o equilíbrio”, explicou
A reunião ocorreu na Residência Oficial e discutiu a adesão do Piauí à Previdência do Nordeste; para o governador Wellington Dias, a política previdenciária do estado trará equilíbrios no futuro; “A previdência complementar é voluntária, depende de aprovação do servidor. Ele pode programar a aposentadoria. O objetivo é garantir lá na frente o equilíbrio”, explicou (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Piauí Hoje - Em reunião na Residência Oficial nesta terça-feira (12), o governador Wellington Dias e equipe de Governo discutiram a adesão do Piauí à Previdência do Nordeste. Estiveram na reunião gestores da Secretarias de Estado do Governo, Fazenda e Planejamento, Procuradoria Geral do Estado e Fundação Piauí Previdência. A adesão do Piauí à PrevNordeste já havia aprovada pela Assembleia Legislativa do Piauí na semana passada. Os novos servidores vão poder aderir à previdência complementar que vai permitir ao Estado reduzir os gastos com o pagamento de benefícios a inativos, como aposentadorias e pensões.

Para o governador Wellington Dias, a política previdenciária aplicada pelo Piauí trará equilíbrios no futuro. “Eu sou grato à Alepi que aprovou as alterações, permitindo ao Piauí, assim como outros estados do nordeste, oferecer ao servidor as condições de uma previdência complementar. Ela é voluntária e depende de aprovação do servidor. Do outro lado, ele pode programar a aposentadoria. O objetivo é garantir lá na frente o equilíbrio da previdência do servidor público estadual”, explicou.

Após seguir os protocolos de convênio, o Estado aguarda agora o termo de adesão por parte da PrevNordeste, que será assinado pelo governador e secretários. Em seguida, o documento vai ser encaminhado à Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc), órgão vinculado ao Ministério da Fazenda que dita as normativas para as providências complementares.

O presidente da Fundação Piauí Previdência, Marcos Steiner Mesquisa, acredita a previdência complementar deve estar pronta até o mês de julho. “Somente a partir daí, os servidores que ingressarem por concurso público nos órgãos do Estado serão submetidos à nova regra da previdência complementar. Os atuais servidores permanecem na mesma regras, não são atingidos pela previdência complementar”, ressaltou Marcos Steiner.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247