Escândalo na Fifa: Blatter reafirma inocência

O presidente suspenso da Fifa, Joseph Blatter, voltou a declarar sua inocência no escândalo de corrupção que abala a entidade responsável pelo futebol mundial, enquanto se prepara para testemunhar perante o comitê de ética da entidade nesta semana; "Lutarei pelos meus direitos e apresentarei minha visão das coisas ao... comitê com grande convicção e uma crença firme na justiça", disse o suíço ao jornal Blick; "Estou suspenso, mas não isolado, e de forma alguma mudo"

O presidente suspenso da Fifa, Joseph Blatter, voltou a declarar sua inocência no escândalo de corrupção que abala a entidade responsável pelo futebol mundial, enquanto se prepara para testemunhar perante o comitê de ética da entidade nesta semana; "Lutarei pelos meus direitos e apresentarei minha visão das coisas ao... comitê com grande convicção e uma crença firme na justiça", disse o suíço ao jornal Blick; "Estou suspenso, mas não isolado, e de forma alguma mudo"
O presidente suspenso da Fifa, Joseph Blatter, voltou a declarar sua inocência no escândalo de corrupção que abala a entidade responsável pelo futebol mundial, enquanto se prepara para testemunhar perante o comitê de ética da entidade nesta semana; "Lutarei pelos meus direitos e apresentarei minha visão das coisas ao... comitê com grande convicção e uma crença firme na justiça", disse o suíço ao jornal Blick; "Estou suspenso, mas não isolado, e de forma alguma mudo" (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

ZURIQUE (Reuters) - O presidente suspenso da Fifa, Joseph Blatter, voltou a declarar sua inocência no escândalo de corrupção que abala a entidade responsável pelo futebol mundial, enquanto se prepara para testemunhar perante o comitê de ética da entidade nesta semana.

"Lutarei pelos meus direitos e apresentarei minha visão das coisas ao... comitê com grande convicção e uma crença firme na justiça", disse o suíço ao jornal Blick antes da audiência de quinta-feira. "Estou suspenso, mas não isolado, e de forma alguma mudo".

Em novembro, os investigadores de ética da Fifa pediram sanções contra Blatter e Michel Platini, presidente da Uefa, e ambos foram afastados de seus cargos por 90 dias contados a partir de 8 de outubro à espera da conclusão do inquérito.

O comitê de ética da Fifa deve se pronunciar sobre o caso na próxima semana.

Promotores dos Estados Unidos indiciaram 42 pessoas e entidades na investigação sobre a corrupção no futebol, incluindo os ex-presidentes da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) José Maria Marin e Ricardo Teixeira e o atual presidente licenciado da entidade, Marco Polo Del Nero.

Dirigentes de todas as Américas estão entre os réus no caso, que os promotores dizem envolver 200 milhões de dólares em propinas e subornos ligados a direitos de marketing e de transmissão de eventos de futebol.

Blatter também é alvo de uma investigação criminal na Suíça, sua terra natal e sede da Fifa. Em junho, poucos dias depois de ser reeleito para um quinto mandato, a avalanche de acusações o levou a anunciar que renunciaria, mas ele não foi acusado de nenhum crime.

(Por Michael Shields)

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email