Estadão reafirma informações questionadas pelo Planalto

Conteúdo da reportagem "Para Dilma, há risco de crise institucional" foi desmentido por Dilma Rousseff por meio de comunicado do Palácio do Planalto; nota assinada pelo diretor de Conteúdo do Grupo Estado, Ricardo Gandour, diz que o jornal "mantém a informação publicada"

Estadão reafirma informações questionadas pelo Planalto
Estadão reafirma informações questionadas pelo Planalto (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornal O Estado de S.Paulo publicou nota na tarde desta quarta-feira 30 para reafirmar as informações publicadas na reportagem "Para Dilma, há risco de crise institucional", em resposta a questionamento do Palácio do Planalto sobre a matéria, feito em nota (leia mais). Segundo o texto, assinado pelo diretor de Conteúdo do Grupo Estado, Ricardo Gandour, "O Estado está seguro da apuração que fez e mantém a informação publicada sobre a preocupação do governo com o episódio e seu potencial de risco político, a despeito do desmentido oficial".

"A matéria publicada pelo Estado é fruto de apuração junto a fontes credenciadas do governo e desenvolvida desde a divulgação do teor da conversa entre o ex-presidente Lula e o ministro Gilmar Mendes", argumenta o jornal.

Confira a íntegra da nota:

O Estado está seguro da apuração que fez e mantém a informação publicada sobre a preocupação do governo com o episódio e seu potencial de risco político, a despeito do desmentido oficial.

A matéria publicada pelo Estado é fruto de apuração junto a fontes credenciadas do governo e desenvolvida desde a divulgação do teor da conversa entre o ex-presidente Lula e o ministro Gilmar Mendes. Segundo essas fontes, o fato preocupou profundamente a presidente Dilma Rousseff pelo seu potencial de crise. Dentro e fora do Palácio do Planalto é corrente a leitura de que é preciso evitar o envolvimento do governo com o assunto, raiz da orientação presidencial de silêncio sobre o tema.

A audiência entre a presidente e o ministro Ayres Britto, nesta terça-feira, 30, foi marcada a pedido deste em razão de sua posse como presidente do Supremo Tribunal Federal. Foi, portanto, o primeiro encontro formal de ambos na condição de dirigentes máximos dos dois poderes da República, quando a pauta é de natureza necessariamente institucional.

Diante da crise política deflagrada depois do encontro entre o ex-presidente Lula e o ministro Gilmar Mendes, é natural que a versão oficial da reunião entre a presidente Dilma e o presidente do STF enfatize o evento Rio+20, embora este não tenha ocupado a pauta mais que o tempo necessário ao convite a Britto para o evento.

Ricardo Gandour
Diretor de Conteúdo do Grupo Estado

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247