Estrategicamente, inquérito contra Alckmin na Lava Jato atrasa

Superior Tribunal de Justiça ainda não autorizou o início das investigações contra uma parte dos governadores citados nas delações da Odebrecht, incluindo o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), ainda não começou; delações da Odebrecht foram homologadas há mais de seis meses pelo Supremo Tribunal Federal; Alckmin articula candidatura a presidente. Delatores apontaram pagamentos a campanhas do tucano por meio de caixa dois, sendo que R$ 2 milhões foram entregues a um cunhado do tucano em 2010

Brasília- DF- Brasil- 10/11/2014- O governador de São Paulo, Geraldo Alckmim, fala à imprensa após audiência com a presidenta Dilma Rousseff, no Palácio do Planalto (Wilson Dias/Agência Brasil)
Brasília- DF- Brasil- 10/11/2014- O governador de São Paulo, Geraldo Alckmim, fala à imprensa após audiência com a presidenta Dilma Rousseff, no Palácio do Planalto (Wilson Dias/Agência Brasil) (Foto: Aquiles Lins)

247 - O Superior Tribunal de Justiça ainda não autorizou o início das investigações contra uma parte dos governadores citados nas delações da Odebrecht, incluindo o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), ainda não começou.

As delações da Odebrecht foram homologadas há mais de seis meses pelo Supremo Tribunal Federal. A Procuradoria-Geral da República diz que há casos ainda em apuração interna na instituição –que precede o envio à corte de pedidos de autorização.

Alckmin articula candidatura a presidente. Delatores apontaram pagamentos a campanhas do tucano por meio de caixa dois, sendo que R$ 2 milhões foram entregues a um cunhado do tucano em 2010, de acordo com o ex-executivo Carlos Armando Paschoal. Ele também apontou que o hoje governador chegou a participar pessoalmente de um acerto.

Além de Alckmin, as delações da Odebrecht também atingem o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (RJ), do Paraná, Beto Richa (PSDB), do Tocantins, Marcelo Miranda (PMDB), do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), e de Santa Catarina, Raimundo Colombo (PSD). As denúncias contra o governador Fernando Pimentel (PT), de Minas, e Paulo Hartung (PMDB), foram arquivadas. 

A situação difere da de congressistas mencionados pelos delatores, cuja jurisdição é o Supremo Tribunal Federal. No início de abril, o ministro do STF Edson Fachin autorizou a abertura de investigação contra 39 deputados, 24 senadores e oito ministros do governo Michel Temer.

As informações são da Folha de S. Paulo

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247