Estudante detida por pichação em São Paulo se defende

Estudante de Direito Maira Pinheiro, de 26 anos, que foi detida na madrugada desse sábado, 4, sob acusação de pichação, divulgou nota à imprensa em que critica o prefeito João Doria (PSDB) e disse que durante a abordagem, no trajeto até o Distrito Policial e durante o registro da ocorrência, foi intimidada, constrangida e assediada; "É muito conveniente para a gestão Dória e seu projeto higienista de cidade fazer do meu caso punição exemplar. Reduz-se a discussão a um suposto dano ao patrimônio, jogando uma cortina de fumaça sobre o racismo e o classismo que motivam a perseguição aos pixadores e grafiteiros e à cultura de rua como um todo", afirmou 

Estudante de Direito Maira Pinheiro, de 26 anos, que foi detida na madrugada desse sábado, 4, sob acusação de pichação, divulgou nota à imprensa em que critica o prefeito João Doria (PSDB) e disse que durante a abordagem, no trajeto até o Distrito Policial e durante o registro da ocorrência, foi intimidada, constrangida e assediada; "É muito conveniente para a gestão Dória e seu projeto higienista de cidade fazer do meu caso punição exemplar. Reduz-se a discussão a um suposto dano ao patrimônio, jogando uma cortina de fumaça sobre o racismo e o classismo que motivam a perseguição aos pixadores e grafiteiros e à cultura de rua como um todo", afirmou 
Estudante de Direito Maira Pinheiro, de 26 anos, que foi detida na madrugada desse sábado, 4, sob acusação de pichação, divulgou nota à imprensa em que critica o prefeito João Doria (PSDB) e disse que durante a abordagem, no trajeto até o Distrito Policial e durante o registro da ocorrência, foi intimidada, constrangida e assediada; "É muito conveniente para a gestão Dória e seu projeto higienista de cidade fazer do meu caso punição exemplar. Reduz-se a discussão a um suposto dano ao patrimônio, jogando uma cortina de fumaça sobre o racismo e o classismo que motivam a perseguição aos pixadores e grafiteiros e à cultura de rua como um todo", afirmou  (Foto: Aquiles Lins)

SP 247 - A estudante de Direito Maira Pinheiro, de 26 anos, que foi detida na madrugada desse sábado, 4, sob acusação de pichação, divulgou nota à imprensa sobre o ocorrido.

Maira disse que durante a abordagem, no trajeto até o Distrito Policial e durante o registro da ocorrência, foi intimidada, constrangida e assediada. "É muito conveniente para a gestão Dória e seu projeto higienista de cidade fazer do meu caso punição exemplar. Reduz-se a discussão a um suposto dano ao patrimônio, jogando uma cortina de fumaça sobre o racismo e o classismo que motivam a perseguição aos pixadores e grafiteiros e à cultura de rua como um todo", afirmou em nota.

A estudante é filiada ao PT e foi detida enquanto pichava o muro de um estacionamento na Rua Santo Antônio, no centro da capital paulista. Segundo a nova lei, sancionada na gestão do prefeito João Doria (PSDB), terá que pagar multa de R$ 5 mil, ou firmar um Termo de Compromisso de Reparação da Paisagem Urbana.

Leia na íntegra a nota da estudante Maria Pinheiro.

"NOTA À IMPRENSA

Nessa madrugada, fui detida pela Guarda Civil Metropolitana no Centro de São Paulo acusada de pixação. Todos os dias jovens são abordados e perseguidos pelas forças de repressão do Estado. Gente que tem sua cara pintada com tinta, que passa por todo tipo de agressão e humilhação por expressar uma cultura que é da rua e por isso é margilizada. Dificilmente esse tipo de história teria a repercussão que meu caso vem tendo.

Por ser uma mulher branca, estudante de direito e com fácil acesso à assistência juridica, tive maiores possibilidades de me defender de possíveis abusos. Ainda assim, durante a abordagem, no trajeto até o Distrito Policial e durante o registro da ocorrência, fui intimidada, constrangida e assediada.

Minha militância sempre teve como foco a defesa das mulheres e da juventude. Por ter ousado me engajar politicamente, também tenho minha imagem mais exposta.

É muito conveniente para a gestão Dória e seu projeto higienista de cidade fazer do meu caso punição exemplar. Reduz-se a discussão a um suposto dano ao patrimônio, jogando uma cortina de fumaça sobre o racismo e o classismo que motivam a perseguição aos pixadores e grafiteiros e à cultura de rua como um todo.

Maira Pinheiro"

Leia reportagem da RBA sobre a detenção da estudante Maira Pinheiro:

Estudante de 26 anos é a 1ª pessoa multada por lei que criminaliza a pichação

Uma estudante de Direito, de 26 anos, será a primeira pessoa a ser multada com base na lei que criminaliza a pichação, aprovada pela Câmara Municipal de São Paulo e sancionada pelo prefeito João Dória em 20 de fevereiro.

A estudante, que segundo a Folha de S.Paulo chama-se Maira Machado Frota Pinheiro e é filiada ao PT, foi detida em flagrante na madrugada deste sábado (4) enquanto pichava o muro de um estacionamento na Rua Santo Antônio, no centro da capital paulista.

A nova lei prevê multa de R$ 5 mil para o autor da pichação, valor que pode chegar até R$ 10 mil se o ato for contra patrimônio público ou bem tombado.

A estudante poderá, até o vencimento da multa, firmar um Termo de Compromisso de Reparação da Paisagem Urbana. Caso seja cumprido o que for estabelecido no termo, a Prefeitura poderá suspender a cobrança de multa.

A lei prevê como contrapartida, por exemplo, a reparação do bem pichado ou a prestação de serviço em outra atividade de zeladoria urbana. A estudante também deverá aderir a um programa educativo para incentivar o desenvolvimento da prática de grafite.

A jovem foi surpreendida por uma equipe da Guarda Civil Metropolitana. O caso foi encaminhado ao 8ºDP, no Brás. Além da multa, de caráter administrativo, a estudante responderá criminalmente pelo ato de vandalismo.

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247