Ex-amigos brigam por R$ 2 bilhões da Bemisa

Empresários e ex-amigos baianos Daniel Dantas e Marcelo Pessoa estão se enfrentando na justiça por possível dívida do início da gigante da mineração; na Bahia, a Bemisa explora calcário em Santa Maria da Vitória, no sudoeste, e Minério de Ferro, na região do município de Remanso, na divisa com o Piauí

Ex-amigos brigam por R$ 2 bilhões da Bemisa
Ex-amigos brigam por R$ 2 bilhões da Bemisa
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Bahia 247

Uma disputa avaliada atualmente em R$ 2 bilhões mantém os empresários baianos Daniel Dantas e Marcelo Pessoa a todo vapor pela Brasil Exploração Mineral S.A. (Bemisa), segundo nota da coluna de Felipe Patury, da Época.

Na Bahia, a empresa explora calcário em Santa Maria da Vitória, no sudoeste, e Minério de Ferro, na região do município de Remanso, na divisa com o Piauí. Segundo Patury, a briga pela mineradora começou em 2007.

Dantas ficou com 62,5% da companhia, o empresário baiano João Carlos Cavalcante com 20%, Pessoa com 12,5% e o geólogo Caio Jatobá com 5%.

Em 2008, Dantas promoveu oito aumentos de capital e ninguém conseguiu acompanhá-lo. Cavalcante e Jatobá deixaram a Bemisa. Já Pessoa recorreu à Justiça e ao Departamento Nacional de Produção Mineral.

Pessoa alega que Dantas não pagou o que devia ao entrar na mineradora e que a diluição de sua participação foi ilegal.

De acordo com o porta-voz de Dantas, Pessoa teria aprovado cinco dos aumentos de capital e, por isso, o empresário não deveria nada a ele. A disputa bilionária entre os ex-amigos promete novos capítulos em breve.

Sobre o assunto, o Opportunity divulgou a seguinte nota:

1. A valorização da Bemisa está ligada diretamente aos recursos empregados na companhia destinados a investimentos em pesquisa mineral, estudos de engenharia e logística para viabilização dos projetos de mineração.

2. O relevante é que a participação de Marcelo Pessoa na empresa vale hoje muito mais do que valia antes em função dos investimentos feitos nessas áreas e que deram resultados.

3. Quando Marcelo Pessoa investiu na Bemisa, a companhia estava avaliada em R$ 30 milhões. O crescimento do valor da empresa se deve ao trabalho de equipe multidisciplinar composta por técnicos com larga experiência no setor, empresas de engenharia, certificadores internacionais e consultores que trabalharam nos projetos graças aos investimentos realizados.

4. Por sua vez, Marcelo Pessoa, empresário de recursos,  bem sucedido, optou por investir em outros projetos, obteve ações e o retorno destes empreendimentos. E os investidores que aportaram capital na Bemisa devem receber ações correspondentes ao seu investimento na mineradora. Em operações de oferta de ações na bolsa são emitidas ações em troca do capital aportado, o que não poderia ser diferente.

5. Pretender ganhar ainda o resultado decorrente da participação aportada na Bemisa por terceiros não é correto. É como se alguém que tivesse comprado parte de um terreno -- e não aportasse capital na construção de um prédio no local – pretendesse, no final das obras, pleitear a mesma participação no edifício daqueles que investiram na construção.

Atenciosamente,
Elisabel Benozatti
Assessoria de Comunicação do Opportunity

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email