Ex-presidente do PSDB-MG vira réu por peculato e lavagem de dinheiro

A Justiça de Minas Gerais recebeu a denúncia contra o ex-presidente do PSDB-MG e ex-secretário de Ciência e Tecnologia do governo Antônio Anastasia, Nárcio Rodrigues, e outras 14 pessoas; eles responderão pelos crimes de organização criminosa, fraude em licitação, obtenção de vantagem indevida, lavagem de dinheiro, peculato obstrução da investigação na Operação Aequalis; segundo MP-MG, os acusados têm envolvimento na construção do centro de tecnologia em 2011, que beneficiou a construtora CWP, que já pertenceu a um primo do senador Antonio Anastasia, Waldemar Anastasia Polizzi; Nárcio cumpre prisão preventiva na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem

A Justiça de Minas Gerais recebeu a denúncia contra o ex-presidente do PSDB-MG e ex-secretário de Ciência e Tecnologia do governo Antônio Anastasia, Nárcio Rodrigues, e outras 14 pessoas; eles responderão pelos crimes de organização criminosa, fraude em licitação, obtenção de vantagem indevida, lavagem de dinheiro, peculato obstrução da investigação na Operação Aequalis; segundo MP-MG, os acusados têm envolvimento na construção do centro de tecnologia em 2011, que beneficiou a construtora CWP, que já pertenceu a um primo do senador Antonio Anastasia, Waldemar Anastasia Polizzi; Nárcio cumpre prisão preventiva na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem
A Justiça de Minas Gerais recebeu a denúncia contra o ex-presidente do PSDB-MG e ex-secretário de Ciência e Tecnologia do governo Antônio Anastasia, Nárcio Rodrigues, e outras 14 pessoas; eles responderão pelos crimes de organização criminosa, fraude em licitação, obtenção de vantagem indevida, lavagem de dinheiro, peculato obstrução da investigação na Operação Aequalis; segundo MP-MG, os acusados têm envolvimento na construção do centro de tecnologia em 2011, que beneficiou a construtora CWP, que já pertenceu a um primo do senador Antonio Anastasia, Waldemar Anastasia Polizzi; Nárcio cumpre prisão preventiva na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Minas 247 - A Justiça de Minas Gerais recebeu a denúncia contra o ex-presidente do PSDB-MG e ex-secretário de Ciência e Tecnologia do governo Antônio Anastasia, Nárcio Rodrigues, e outras 14 pessoas. Eles responderão pelos crimes de organização criminosa, fraude em licitação, obtenção de vantagem indevida, lavagem de dinheiro, peculato e obstrução da investigação na Operação Aequalis.

A operação investiga o desvio de verba pública que deveria ser destinada à Fundação Hidroex, vinculada à Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais, entre 2012 e 2014, pasta de Rodrigues comandou entre 2010 e 2014. A fundação desenvolvia, em Frutal, no Triângulo Mineiro, um centro de pesquisas de recursos hídricos.

Segundo o Ministério Público de Minas Gerais, os acusados têm envolvimento na construção do centro de tecnologia em 2011, que beneficiou a construtora CWP, que já pertenceu a um primo do senador Antonio Anastasia, Waldemar Anastasia Polizzi. Os promotores também investigaram o desvio de recursos na execução das obras. Neste caso, o desvio de dinheiro público chega a R$ 8,7 milhões.

Nárcio e mais seis foram presos durante a Operação Aequalis por suspeita de envolvimento em desvio de verba pública. Ele cumpre prisão preventiva na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Veja a lista de denunciados:

Narcio Rodrigues
Neif Chala
Vicente José Gamarano
Gerson Barros de Carvalho
Alexandre Pereira Horta
Leila Cristina Nunes Netto
Maurilio Reis Bretas
José Maria Magalhães
Waldemar Anastasia Polizzi
Luciano Lourenço dos Reis
Odo Adão Filho
Bernardo Ernesto Simões Moniz da Maia
Firmino Antônio Guerreiro Vieira Monteiro Rocha
Hugo Alexandre Timóteo Murcho
Jucelio Luiz de Paula Sales

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247