Experiente, Renan descobre que ficar perto de Temer é suicídio político

O afastamento entre o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) e Michel Temer (PMDB) antecipa um movimento que será feito por todos os políticos que tiverem pretensões eleitorais em 2018; como Michel Temer é a figura mais impopular do País, quem estiver próximo a ele reduzirá suas possibilidades eleitorais; em Alagoas, estado de Renan, Temer é rejeitado por 72% da população; na posição inversa, Lula dispara nas intenções de voto, segundo o Instituto Paraná Pesquisas – o que fará com que brotem neolulistas até entre os políticos que apoiaram o golpe de 2016

O afastamento entre o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) e Michel Temer (PMDB) antecipa um movimento que será feito por todos os políticos que tiverem pretensões eleitorais em 2018; como Michel Temer é a figura mais impopular do País, quem estiver próximo a ele reduzirá suas possibilidades eleitorais; em Alagoas, estado de Renan, Temer é rejeitado por 72% da população; na posição inversa, Lula dispara nas intenções de voto, segundo o Instituto Paraná Pesquisas – o que fará com que brotem neolulistas até entre os políticos que apoiaram o golpe de 2016
O afastamento entre o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) e Michel Temer (PMDB) antecipa um movimento que será feito por todos os políticos que tiverem pretensões eleitorais em 2018; como Michel Temer é a figura mais impopular do País, quem estiver próximo a ele reduzirá suas possibilidades eleitorais; em Alagoas, estado de Renan, Temer é rejeitado por 72% da população; na posição inversa, Lula dispara nas intenções de voto, segundo o Instituto Paraná Pesquisas – o que fará com que brotem neolulistas até entre os políticos que apoiaram o golpe de 2016 (Foto: Ana Pupulin)

Alagoas 247 - Líder da bancada do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL) tem demonstrado insatisfação com algumas ações do governo Michel Temer. Entre elas, a proposta de reforma da Previdência, que ele já chamou de "exagero" e anunciou que será alterada quando chegar à Casa.

Em entrevista à jornalista Tereza Cruvinel, do 247, Renan criticou ainda a Reforma Trabalhista. "Não podemos precarizar as relações trabalhistas a um ponto tal, permitindo que o mercado passe o trator sobre os direitos e garantias erigidos com uma grande contribuição do PMDB. Uma coisa é o governo, outra coisa é o PMDB", declarou.

Para completar às propostas de reforma de Temer, um levantamento do instituto Paraná Pesquisas divulgado nesta sexta-feira 10 aponta que 72,4% dos alagoanos desaprovam o atual governo, enquanto apenas 24,5% aprovam. A gestão do peemedebista é considerada péssima por 41,3% da população do Estado, e regular por 30,2%.

A mesma pesquisa revela que o ex-presidente Lula lidera em todos os cenários em Alagoas, com 39% a 39,6% das intenções de votos. Michel Temer fica com 3,5% a 4,3%. E os tucanos também ficam para trás: Aécio Neves registra 10,2% e Geraldo Alckmin, 6,3%.

Nesse cenário, não é difícil de explicar a razão do afastamento entre Renan e Temer, por parte do senador. O gesto antecipa um movimento que será feito por todos os políticos que tiverem pretensões eleitorais em 2018.

O raciocínio é simples: como Michel Temer é a figura mais impopular do País, quem estiver próximo a ele reduzirá suas possibilidades eleitorais. A posição de Lula nas pesquisas, por outro lado, fará com que brotem neolulistas até entre os políticos que apoiaram o golpe de 2016.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247