Facebook levou anos para reprimir a coleta de dados dos desenvolvedores

O Facebook foi abalado nesta semana depois que um informante disse que a Cambridge Analytica, que o presidente dos EUA, Donald Trump, contratou para sua campanha eleitoral de 2016, acessou indevidamente informações sobre usuários do Facebook para construir perfis detalhados sobre eleitores americanos.

Facebook levou anos para reprimir a coleta de dados dos desenvolvedores
Facebook levou anos para reprimir a coleta de dados dos desenvolvedores
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

(Reuters) - Um ex-gerente de operações do Facebook disse a um comitê parlamentar britânico nesta quarta-feira que a coleta de dados de usuários por desenvolvedores externos de software já foi rotineira e que a empresa levou anos para reprimir a prática.

Sandy Parakilas, encarregado de policiar os procedimentos de tratamento de dados do Facebook em 2011 e 2012, lançou novas luzes sobre as práticas de negócios que supostamente permitiram à Cambridge Analytica obter acesso não autorizado aos dados pessoais de dezenas de milhões de eleitores dos EUA.

O Facebook foi abalado nesta semana depois que um informante disse que a Cambridge Analytica, que o presidente dos EUA, Donald Trump, contratou para sua campanha eleitoral de 2016, acessou indevidamente informações sobre usuários do Facebook para construir perfis detalhados sobre eleitores americanos.

“Houve muito pouca detecção ou aplicação”, disse Parakilas em depoimento por videoconferência antes do Comitê Digital, Cultura, Mídia e Esporte da Câmara dos Comuns. “Durante meus 16 meses (no Facebook), não me lembro de uma única auditoria física de um desenvolvedor” que estava armazenando dados de usuários da rede social.

Parakilas destacou o grande potencial de abuso de um recurso pouco conhecido chamado “permissões de amigos”, que permitia a desenvolvedores de software conectarem seus aplicativos aos amigos dos usuários e até aos amigos de amigos, o chamado “gráfico social” no coração da rede de conexões do Facebook.

“É provável que estejamos falando de dezenas de milhares de aplicativos que receberam ‘permissões de amigos’ e alguns desses aplicativos tinham dezenas - era enorme - ou centenas de milhões de usuários, então havia uma grande quantidade de dados que passavam da porta”, disse Parakilas.

O Facebook desativou o recurso de permissões de amigos em 2015.

Questionado por um membro da comissão parlamentar sobre a existência de incidentes se esse recurso de compartilhamento de dados fosse mal utilizado, Parakilas disse: “Pode ter acontecido isso. No entanto, o Facebook não investigou o suficiente para determinar exatamente”.

O Facebook se recusou a comentar diretamente o depoimento do ex-funcionário.

Por Kate Holton e Paul Sandle

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247