Faltam ações de preservação de rios em Teresina

Os rios de Teresina sofrem com inúmeros problemas decorrentes da ação humana, que se tornam mais evidentes nesta época do ano, por conta do período de seca, dentre eles estão: o assoreamento, a ploriferação de aguapés e o alto índice de poluição; em Teresina as ações efetivas ainda são tímidas, tendo em vista a proporcionalidade de degradação dos rios na capital; a poluição dos rios é decorrente do baixo índice de cobertura do sistema de esgotamento e tratamento de água em Teresina que só chega a 19%, ou seja, a maioria dos esgotos produzidos na cidade são jogados diretamente nos dois rios

Os rios de Teresina sofrem com inúmeros problemas decorrentes da ação humana, que se tornam mais evidentes nesta época do ano, por conta do período de seca, dentre eles estão: o assoreamento, a ploriferação de aguapés e o alto índice de poluição; em Teresina as ações efetivas ainda são tímidas, tendo em vista a proporcionalidade de degradação dos rios na capital; a poluição dos rios é decorrente do baixo índice de cobertura do sistema de esgotamento e tratamento de água em Teresina que só chega a 19%, ou seja, a maioria dos esgotos produzidos na cidade são jogados diretamente nos dois rios
Os rios de Teresina sofrem com inúmeros problemas decorrentes da ação humana, que se tornam mais evidentes nesta época do ano, por conta do período de seca, dentre eles estão: o assoreamento, a ploriferação de aguapés e o alto índice de poluição; em Teresina as ações efetivas ainda são tímidas, tendo em vista a proporcionalidade de degradação dos rios na capital; a poluição dos rios é decorrente do baixo índice de cobertura do sistema de esgotamento e tratamento de água em Teresina que só chega a 19%, ou seja, a maioria dos esgotos produzidos na cidade são jogados diretamente nos dois rios (Foto: Leonardo Lucena)

Do Piauí Hoje - Os rios de Teresina sofrem com inúmeros problemas decorrentes da ação humana, que se tornam mais evidentes nesta época do ano, por conta do período de seca, dentre eles estão: o assoreamento, a ploriferação de aguapés e o alto índice de poluição. A secretaria estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Piauí (Semar) está realizando ações estruturais em todo o Estado, em defesa do meio ambiente, mas em Teresina as ações efetivas ainda são tímidas, tendo em vista a proporcionalidade de degradação dos rios na capital. 

Da margem do rio Parnaíba, pode-se avistar os vários bancos de areia, mais conhecidos como coroas, decorrentes do desmatamento da mata ciliar das suas margens, causando o acúmulo de areia no fundo do rio e o assoreamento. No rio Poti, a água parada e a poluição dos esgotos fazem com que se proliferem plantas aquáticas chamadas aguapés, que se alimentam dos agentes poluidores e dificultam a oxigenação da água. A poluição dos rios é decorrente do baixo índice de cobertura do sistema de esgotamento e tratamento de água em Teresina que só chega a 19%, ou seja, a maioria dos esgotos produzidos na cidade são jogados diretamente nos dois rios. 

Segundo Romildo Mafra, superintendente de Recursos Hídricos da Semar, no presente momento, as ações do órgão estão voltadas, principalmente, para a criação de comissões de gestão de barragens e viabilização para a construção de mais seis novas barragens no interior do Piauí que irão ajudar inúmeras famílias.

Está em processo também a demarcação do Parque das Nascentes do Rio Parnaíba, por ser uma área de grande importância para a vitalidade do rio e que sofre um grave processo de degradação devido a queimadas e ação humana.

Para o rio Poti, existe a proposta de criação de uma unidade de conservação na região do cânion e está em estudo, a construção de uma barragem no município de Castelo do Piauí que vai aumentar a vazão desse rio nos períodos de estiagem, onde a água fica parada possibilitando a proliferação dos aguapés.

Em relação às medidas mais efetivas de preservação dos rios na capital, o secretário afirma que é preciso que haja um trabalho conjunto em parceria da Semar, da secretaria municipal de Meio Ambiente (Semam) e do Ibama, por que os rios da capital são de interesse de todos esses órgãos.

"Esses orgãos deviam trabalhar juntos para ver qual a intervenção urgente que tem que ser feita para evitar que nosso rio desapareça, a riqueza do Piauí está nos rios", diz Romildo Mafra.

- See more at: http://piauihoje.com/noticias/faltas-de-politicas-publicas-para-os-rios-em-teresina/#sthash.CEBALhss.dpuf

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247