Férias-Prêmio: Conselheiros do TCE de Minas vão receber R$ 731 mil

O Tribunal de Contas de Minas Gerais (TCE-MG) autorizou o pagamento de férias-prêmio em espécie para quatro conselheiros, o que vai custar R$ 731.306,64 aos cofres públicos; por força da Constituição Estadual e da Lei Orgânica do Tribunal de Contas, os conselheiros possuem as mesmas garantias, prerrogativas, impedimentos e subsídio dos desembargadores; dessa forma, aplica-se aos conselheiros do Tribunal de Contas o direito de converter em espécie as férias-prêmio; ou seja, ficam permitidas a conversão em dinheiro das férias quando requeridas para gozo e indeferidas, por necessidade do serviço, limitadas, nesse caso, a dois períodos de 30 dias por ano

O Tribunal de Contas de Minas Gerais (TCE-MG) autorizou o pagamento de férias-prêmio em espécie para quatro conselheiros, o que vai custar R$ 731.306,64 aos cofres públicos; por força da Constituição Estadual e da Lei Orgânica do Tribunal de Contas, os conselheiros possuem as mesmas garantias, prerrogativas, impedimentos e subsídio dos desembargadores; dessa forma, aplica-se aos conselheiros do Tribunal de Contas o direito de converter em espécie as férias-prêmio; ou seja, ficam permitidas a conversão em dinheiro das férias quando requeridas para gozo e indeferidas, por necessidade do serviço, limitadas, nesse caso, a dois períodos de 30 dias por ano
O Tribunal de Contas de Minas Gerais (TCE-MG) autorizou o pagamento de férias-prêmio em espécie para quatro conselheiros, o que vai custar R$ 731.306,64 aos cofres públicos; por força da Constituição Estadual e da Lei Orgânica do Tribunal de Contas, os conselheiros possuem as mesmas garantias, prerrogativas, impedimentos e subsídio dos desembargadores; dessa forma, aplica-se aos conselheiros do Tribunal de Contas o direito de converter em espécie as férias-prêmio; ou seja, ficam permitidas a conversão em dinheiro das férias quando requeridas para gozo e indeferidas, por necessidade do serviço, limitadas, nesse caso, a dois períodos de 30 dias por ano (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Minas 247 – Com categorias privilegiadas do serviço público é assim, penduricalhos, caso dos magistrados e os seus auxílios. São vantagens e mais vantagens legais que enchem os bolsos e fortalecem a conta bancária. Em meio a uma severa crise econômica (qual?), o Tribunal de Contas de Minas Gerais autorizou nesta terça-feira (6) um pagamento de férias-prêmio em espécie para quatro conselheiros que vai custar R$ 731.306,64 aos cofres públicos.

E acreditem, é tudo legal, perfeitamente dentro da lei que passou a autorizar a conversão das férias-prêmio não gozadas em dinheiro. No caso concreto, o conselheiro que não tirou férias durante 12 meses tem direito a receber dois meses de salário por ano e assim segue: 24 meses sem tirar férias, quatro salários caem na gorda conta bancária.

Não pense, caro leitor, que esse dinheiro pago é exclusivo dos conselheiros do TCE-MG. Pelo contrário. Por força do art. 78, § 4º, da Constituição Estadual e do art. 12 da Lei Orgânica do Tribunal de Contas, os conselheiros possuem as mesmas garantias, prerrogativas, impedimentos e subsídio dos desembargadores. Dessa forma, aplica-se aos conselheiros do Tribunal de Contas o direito de converter em espécie as férias-prêmio”.

Pra ficar mais claro, a permissão para pagar aos conselheiros foi dada por equiparação a juízes e desembargadores. Este seleto grupo passou a poder converter o benefício em dinheiro por causa de uma lei complementar. Somente para os magistrados, aos quais os conselheiros do TCE se equivalem, ficam permitidas a conversão em dinheiro das férias quando requeridas para gozo e indeferidas, por necessidade do serviço, limitadas, nesse caso, a “dois períodos de 30 dias por ano”, segundo reportagem de Juliana Cipriani no EM (leia aqui).

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247