Fernando de Noronha tem registro de novo ataque de tubarão

Arquipélago de Fernando de Noronha, em Pernambuco, teve um novo caso de ataque de tubarão registrado pouco mais de um ano após um turista paranaense ter sido atacado por um tubarão na Praia do Sueste em dezembro de 2015 e ter parte do braço amputado. Segundo a Assessoria de Imprensa da Administração do Arquipélago, a vítima do ataque desta sexta-feira é um músico de 49 anos que trabalha para um dos hotéis da ilha. ; por meio de nota, o hospital informou que a vítima foi ferida de forma superficial na perna esquerda, sem sofrer lesão muscular, vascular ou óssea

PE - FERNANDO DE NORONHA/ANIVERSARIO/508 ANOS - Por do sol visto da praia do porto Santo Antonio na epoca da Regata Recife Fernando de Noronha (IMAGEM DE ARQUIVO)
PE - FERNANDO DE NORONHA/ANIVERSARIO/508 ANOS - Por do sol visto da praia do porto Santo Antonio na epoca da Regata Recife Fernando de Noronha (IMAGEM DE ARQUIVO) (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Pernambuco 247 - O arquipélago de Fernando de Noronha, em Pernambuco, teve um novo caso de ataque de tubarão registrado pouco mais de um ano após um turista paranaense ter sido atacado por um tubarão na Praia do Sueste em dezembro de 2015 e ter parte do braço amputado. Segundo a Assessoria de Imprensa da Administração do Arquipélago, a vítima do ataque desta sexta-feira é um músico de 49 anos que trabalha para um dos hotéis da ilha. O incidente foi registrado na Praia do Leão.

O músico P.R.S.C. foi atacado quando nadava na Praia do Leão e foi levado por familiares para o Hospital São Lucas. Por meio de nota, o hospital informou que a vítima foi ferida de forma superficial na perna esquerda, sem sofrer lesão muscular, vascular ou óssea. Ele foi liberado em seguida.

O presidente do Comitê Estadual de Monitoramento de Incidentes com Tubarão (Cemit), coronel Clóvis Ramalho, disse que não é possível afirmar com segurança se o caso foi realmente um ataque de tubarão. "Para iniciarmos uma eventual apuração, é necessário ter contato com a vítima, relatos ou alguma foto ou se o médico que a atendeu tiver como atestar alguma coisa", destacou.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email