Folha destaca expansão econômica de Catalão

Cidade administrada por Jardel Sebba tem PIB per capita superior ao de São Paulo e atrai gigantes como Vale, Mitsubishi, John Deere e Anglo American

Folha destaca expansão econômica de Catalão
Folha destaca expansão econômica de Catalão (Foto: SERGIO R.S.ROCHA)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Na série “O Brasil que mais cresce”, a Folha de S. Paulo, maior jornal do País, destacou a cidade de Catalão, que começa a ser administrada por Jardel Sebba, do PSDB, e tem PIB per capital superior ao de São Paulo. Leia abaixo:

Mineração e indústria impulsionam Catalão

PIB de cidade goiana, localizada em ponto estratégico, cresce 480% em dez anos movido por extração de fosfato e fábricas

Cidade atrai gigantes como Anglo American, Vale, Mitsubishi e John Deere; PIB per capita supera o de SP

STELA MASSONENVIADA ESPECIAL A CATALÃO (GO)

As imensas jazidas de titânio, nióbio e fosfato abertas no solo da cidade de Catalão (GO) são um reflexo do avanço da nova fronteira do agronegócio brasileiro.

A cidade de 90 mil habitantes viu seu PIB (Produto Interno Bruto) crescer 478% em dez anos até 2010.

No período, o valor do PIB per capita saltou para R$ 45,8 mil, superior ao de São Paulo (R$ 39,5 mil).

O desempenho se deve à indústria, responsável por metade do PIB de R$ 3,97 bilhões em 2010, e pela extração mineral. Esses setores, por sua vez, são movidos pelas demandas da agricultura.

O fosfato é exemplo disso. Utilizado para produzir fertilizantes, atraiu duas gigantes da área para Catalão.

Lá a Vale possui um complexo focado na extração mineral e na produção de compostos químicos.

Com área de 2.600 hectares (o equivalente a 2.600 campos de futebol), emprega 1.500 profissionais e tem capacidade para produzir 1 milhão de toneladas de rocha fosfática ao ano.

Já a britânica Anglo American, por meio da Copebrás, também explora o fosfato na região e emprega 900 de seus 1.300 funcionários. Chega a produzir 1,3 milhão de toneladas de concentrado de fosfato por ano.

A localização do município, a 100 km de Uberlândia (MG) e 260 km de Goiânia, ajuda a escoar a produção.

"A localização é estratégica, pois no Centro-Oeste é produzida a maior parte dos grãos e do gado do país. De lá a Copebrás abastece a crescente agroindústria regional e nacional", diz Ruben Fernandes, presidente dos negócios de Fosfato e Nióbio da Anglo American.

Já o concentrado feito pela Vale em Catalão segue via ferrovia até o porto de Paranaguá (PR) ou é escoado por minerodutos.

As gigantes levam para a região empresas como a Ultrafértil, que faz o beneficiamento de minério fosfatado.

O rico subsolo de Catalão também possui jazidas de titânio, urânio e terras-raras -elementos minerais de difícil obtenção porque estão muito dispersos pela crosta terrestre.

AMPLIAÇÃO

Em dez anos, Catalão se firmou também como polo industrial. A oferta de mão de obra abastece os fornecedores de máquinas e equipamentos -são cerca de 50 empresas instaladas no distrito industrial da cidade.

Também para aproveitar a boa localização, a John Deere se instalou na cidade em 1999 para produzir colhedoras de cana e pulverizadores. Nos últimos dois anos, a empresa investiu R$ 60 milhões em ampliações.

"É uma das fábricas mais modernas do mundo na produção desse tipo de equipamento", afirma Leo Marobin, gerente da fábrica, que tem 660 empregados.

Além da logística, o clima -que ajuda na produção de sementes de alta qualidade- influiu na escolha da DuPont Pioneer do Brasil.

A unidade na cidade foi inaugurada em novembro passado. Deve começar a operar neste mês com capacidade para processar 2 milhões de sacas de 40 quilos ao ano.

Segundo Roberto de Rissi, diretor da unidade, foram investidos US$ 62 milhões na instalação da fábrica. A Pioneer vai quase duplicar a capacidade atual de produção no Brasil, concentrada em Planaltina (DF).

"É a maior e mais moderna unidade de beneficiamento de sementes de soja da empresa no mundo", diz Rissi.

Também presente no distrito, a montadora Mitsubishi emprega 2.700 funcionários.

A empresa passa por um processo de ampliação que consumirá R$ 1,2 bilhão em investimento. O dinheiro será gasto na construção de uma fábrica de motores, na instalação de uma nova área de pintura, na ampliação da linhas de montagem e na modernização da produção.

No primeiro semestre, deve passar a montar na cidade o modelo ASX. Outros dois virão ainda neste ano.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email