Folha: Fragilidade tucana ajuda Marta e Russomano

Segundo o jornal de Otavio Frias, a falta de densidade pessoal dos pré-candidatos do PSDB - o empresário João Doria Jr., que conta com o apoio aparente do governo Geraldo Alckmin, o deputado federal Ricardo Tripoli e o vereador Andrea Matarazzo, abre caminho, desse modo, para que outros candidatos, como Marta Suplicy (PMDB) e Celso Russomanno (PRB), ocupem o terreno do voto oposicionista

Segundo o jornal de Otavio Frias, a falta de densidade pessoal dos pré-candidatos do PSDB - o empresário João Doria Jr., que conta com o apoio aparente do governo Geraldo Alckmin, o deputado federal Ricardo Tripoli e o vereador Andrea Matarazzo, abre caminho, desse modo, para que outros candidatos, como Marta Suplicy (PMDB) e Celso Russomanno (PRB), ocupem o terreno do voto oposicionista
Segundo o jornal de Otavio Frias, a falta de densidade pessoal dos pré-candidatos do PSDB - o empresário João Doria Jr., que conta com o apoio aparente do governo Geraldo Alckmin, o deputado federal Ricardo Tripoli e o vereador Andrea Matarazzo, abre caminho, desse modo, para que outros candidatos, como Marta Suplicy (PMDB) e Celso Russomanno (PRB), ocupem o terreno do voto oposicionista (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Para a ‘Folha de S. Paulo’, o racha do PSDB pela disputa à Prefeitura de São Paulo favorece candidatos da oposição:

‘A falta de densidade pessoal dos pré-candidatos do PSDB - o empresário João Doria Jr., que conta com o apoio aparente do governo Geraldo Alckmin, o deputado federal Ricardo Tripoli e o vereador Andrea Matarazzo, abre caminho, desse modo, para que outros candidatos, como Marta Suplicy (PMDB) e Celso Russomanno (PRB), ocupem o terreno do voto oposicionista’, diz.

Leia abaixo o editorial sobre o assunto:

Sem garras

Desfrutando de clara hegemonia no cenário político estadual, o PSDB encontra dificuldades para apresentar um candidato consensual e forte na disputa pela Prefeitura de São Paulo. É positivo, assim, que proceda a uma consulta prévia entre seus militantes, marcada para o dia 28 de fevereiro.

Três nomes se apresentam para a disputa interna: o empresário João Doria Jr., que conta com o apoio aparente do governo Geraldo Alckmin, o deputado federal Ricardo Tripoli, o mais votado do partido em 2014, e o vereador Andrea Matarazzo, que já ocupou importantes cargos nas administrações municipais tucanas.

De nenhum deles será lícito dizer que foge ao figurino, à identidade, ao estilo característico da política peessedebista. As rotulações mais inconvenientes que adversários aplicam a um ou outro –a de "higienista" ou de "coxinha", por exemplo–, talvez já não tenham, no atual cenário ideológico paulistano, especial poder pejorativo.

Com o acúmulo dos escândalos e erros protagonizados pelo PT, deixa de ser motivo de constrangimento, para um candidato, que seu estilo político e modos de vida se localizem nos antípodas do populismo tradicional.

Torna-se mais decisivo, até, canalizar o sentimento que, em São Paulo como em outros centros, mobiliza amplas parcelas da população contra a herança do lulismo.

Mais do que por seus próprios insucessos, o prefeito Fernando Haddad (PT) surge a esta altura como o alvo preferencial das inconformidades e indignações resultantes do modelo que lhe garantiu a vitória em 2012.

De índole cautelosa e avessa ao confronto, o PSDB demonstra dificuldades em se apropriar dos dividendos da evidente polarização política –entre petismo e oposição, entre os favoráveis ao impeachment e quem o contesta.

Ademais, a permanente divisão entre as principais lideranças do partido dificulta o método, até há pouco tempo tão recorrente e bem-sucedido no campo petista, de ungir unilateralmente um nome, mesmo que quase desconhecido, para o pleito, transferindo a popularidade de Lula a qualquer pessoa de sua predileção.

Abre-se caminho, desse modo, para que outros candidatos, como Marta Suplicy (PMDB) e Celso Russomanno (PRB), ocupem o terreno do voto oposicionista.

Por certo, a eventualidade de uma "terceira força" entre PT e PSDB raras vezes sobrevive, no Brasil, às corrosões de uma campanha. Mas a falta de densidade pessoal dos pré-candidatos do PSDB, ao menos por enquanto, torna menos improvável essa hipótese no pleito paulistano.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247